Artigos

Sínodo sobre a Amazônia

No passado mês de outubro, como foi amplamente comentado, a Igreja realizou mais um “Sínodo”, desta vez sobre a juventude. E as atenções se voltam agora para o Sínodo sobre a Amazônia, que o Papa Francisco já convocou.

Esta frequência de Sínodos deixa muito às claras sua importância para o governo da Igreja.

Foi no final do Concílio Vaticano Segundo, que o Papa Paulo VI instituiu os “Sínodos”, na forma como se realizam hoje. Era evidente sua intenção de contar com uma instância que levasse em frente o próprio Concílio.

De resto, a própria palavra “sínodo”, em grego, corresponde à palavra “concílio”, em latim. Agora, a palavra Sínodo é usada para identificar os encontros promovidos em decorrência da proposta de Paulo VI.  Mas, na verdade, sínodo e concílio são sinônimos.

É interessante constatar que a Igreja Luterana do Brasil passou a se identificar como “Igreja Sinodal”, assumindo assim esta característica que é a marca registrada de toda a Igreja.

Assim, a “sinodalidade” da Igreja decorre de sua natureza, de sua vocação inata, de incentivar a comunhão, de expressá-la e de assumi-la como seu objetivo fundamental e indispensável.

A Igreja está a serviço do mistério de comunhão, com o qual Deus se identificou plenamente. Cabe à Igreja reconhecer e proclamar a comunhão que existe em Deus, e assume a causa de nossa comunhão mútua.

Isto, do ponto de vista teológico, que é a dimensão indispensável para abordarmos realidades de Deus que nos envolve. A Igreja é um mistério de comunhão.

Mas se olhamos do ponto de vista programático, da missão que temos como Igreja presente em todo o mundo, mais ainda resulta evidente a importância de agirmos sempre em comunhão, favorecendo a participação de toda a Igreja, mesmo que seja de maneira representativa.

Para garantir esta participação de todos na mesma missão, precisamos lançar mão de estratégias pastorais que envolvam a todos os membros da Igreja, mesmo que não estejam presentes no mesmo lugar, ou se sintam representados em determinados momentos em que se refletem realidades importantes, e se tomam decisões a serem assumidas por todos.

Um caso típico desta universalidade dos sínodos vai acontecer no ano que vem, com o Sínodo da Amazônia. Seu anúncio suscitou logo grande interesse, dada a importância que a região amazônica representa para todo o planeta terra.

Um assunto, portanto, de interesse de todos, tanto da Igreja como da comunidade internacional. Será, certamente, um bom serviço que a Igreja vai prestar, propondo para a consideração de todos as grandes questões levantadas hoje em torno da Amazônia.

Em vista da importância do assunto para toda a Igreja e para toda a comunidade internacional, alguns logo propuseram que, desta vez, o Sínodo fosse realizado em algum lugar da própria Amazônia. Mas logo se chegou à conclusão que, ao contrário, mais ainda o Sínodo sobre a Amazônia deveria ser realizado em Roma para mostrar que a Amazônia interessa ao mundo todo.

Assim, levantando grandes causas da humanidade, a Igreja manifesta melhor sua vocação de servidora da vida humana.

Por Dom Demétrio Valentini, Bispo emérito de Jales

 

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.