Artigos

Senhor, aumenta a nossa fé

Internet/A Mão da Vida

A fé é um dom de Deus. Ela tem origem divina e, portanto, não é construção humana. Assim como não existe fábrica de semente, mas existe somente uma grande indústria ao redor da mesma para melhorá-la, irrigá-la, adubá-la etc. Assim também a religião não é capaz de “fabricar” a fé.  A religião é a responsável pelo cuidado, proteção e manutenção da fé.

A fé não se transmite geneticamente de pai para filho, não é tradição familiar ou influência que o ambiente cultural exerce sobre o indivíduo. Há famílias muito religiosas com alguns filhos e netos que dizem não ter fé. Há pessoas criadas em famílias sem religião, vivendo em ambiente hostil à religião que, misteriosamente, são tocadas pela Graça e passam a crer e se sentem profundamente amadas pelo Pai. A fé é um dom misterioso de Deus.

Se a fé nos é dada gratuitamente, por que algumas pessoas tem fé e outras dizem não ter? Deus escolhe alguns privilegiados e esquece os outros? Claro que não. Deus é Pai amoroso e trata a todos os seus filhos com igual amor. Todo ser humano, mormente os batizados, está capacitado para receber o dom da fé. A diferença é que alguns, por inúmeros motivos, não acolhem o dom da fé enquanto outros a acolhem e a alimentam.

Santa Teresinha passou por uma profunda escuridão na alma e aridez interior no último ano da sua vida. Sobre as piedosas poesias que ela escreveu naquele ano de doença terminal e trevas interiores, ela afirmou que expressava não aquilo que estava “sentindo”, mas declarava nas poesias: “aquilo que eu quero crer”.  Portanto, na fé, há também uma parcela de força de vontade – o querer crer.

– Você quer crer ou espera que a fé brote espontânea e independente da sua vontade? Deus respeita totalmente o livre arbítrio. A fé não lhe é imposta, lhe é oferecida como um dom e cabe a você acolhê-la e alimentá-la.

Uma vez acolhida, a fé torna-se uma visão de mundo e uma maneira de viver a vida. A fé vai além das ideias e ela se concretiza no nosso modo de agir e reagir diante da complexidade da existência. Aconteça o que acontecer, mesmo sofrendo e não entendendo o que lhe está acontecendo, como crente você poderá gritar em meio a sua escuridão: Eis-me aqui Senhor, seja feita a vossa vontade.

A fé é composta de três partes desiguais. Ela contém 20% de conteúdo racional que podemos compreender e explicar –  é a teologia. Outros 20% de “emoção” que se expressa, sobretudo, na liturgia, na arte e na intuição. Emoção, na vida espiritual, deve ser como a medida certa de açúcar no café. O excesso de emoção, o emocionalismo, torna a religiosidade melosamente intragável.

E 60% do dom da fé é mistério. É uma certeza absoluta e, ao mesmo tempo, inexplicável, não somente da fria existência de Deus, mas da percepção profunda de uma Presença amorosa e infinita que nos envolve eternamente. Alguns afirmam ou negam a existência de Deus exatamente como outros afirmam ou negam a existência de disco voadores. Ou seja, a vida deles continua a mesma, independentemente se existe ou não, disco voador ou Deus.

Cheios de gratidão, todos nós que recebemos o dom da fé, queremos alimentá-la diariamente com a leitura orante da Palavra de Deus, no encontro com nossa família espiritual, na Missa dominical, onde nos alimentamos do Pão da Vida e recebemos a bênção de Deus, além da fé contagiante dos irmãos que oram conosco e, agradecidos, podemos exclamar: Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

Por Dom Rubens Sevilha, Bispo de Bauru

 

 

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.