Artigos

O bom combate

O clássico livro de espiritualidade A imitação de Cristo, exorta-nos o desprezo pelo mundo. Por séculos, a tradição cristã nos ensinou a fugir do mundo. É bom esclarecer que na Bíblia e na tradicional linguagem religiosa, a palavra mundo significa tudo aquilo que é contra os valores, o projeto e a pessoa de Deus. Obviamente, tudo o que existe foi planejado e criado por Deus e, portanto, o mundo é essencialmente bom, mas o pecado desorganiza e destrói a realidade em seus vários aspectos: ideias, relacionamentos, família, sociedade, natureza etc.

A cultura atual prega o inverso, isto é, incita a supervalorização do mundo e o fascínio por ele. O resultado do saciar-se com o mundo sempre foi o vazio e desespero. Hoje a grande e faiscante porta para o mundo chama-se Internet. Não devemos confundir o desprezo pelo mundo com a indiferença diante dos problemas e sofrimentos da humanidade. Infelizmente, ao longo da história da espiritualidade, a fuga do mundo foi usada para acobertar o egoísmo, a acomodação e o ensimesmamento de muitos cristãos e instituições religiosas. Isso também termina resultando em vazio e desespero.

Não se trata de mau humor, de pessimismo crônico ou de adolescentesca revolta generalizada, mas de sábia e sadia visão sobre o verdadeiro lugar que o mundo deve ter no coração do cristão. Jesus já nos ensinou que devemos “estar no mundo, mas não ser do mundo” (cf. Jo 17, 14).

Estar no mundo significa enfrentar a realidade do jeito que ela se apresenta. Um dos sete dons do Espírito Santo é o dom da Fortaleza, que torna o cristão um “soldado” de Cristo e lhe dá coragem e armas para combater o bom combate da fé. O pessimismo e o desânimo diante da luta da vida são atitudes covardes de aceitação da derrota diante do mundo. Enfim, todo desânimo, em última instância, é falta de fé. Pois, quem confia no amoroso Senhor Deus Pai Todo Poderoso e cheio de misericórdia, jamais desistirá de combater o bom combate do bem. Quando cai ou fracassa, o cristão sabe que tem um Pai com a mão amorosa estendida para lhe perdoar, curar, levantar e recomeçar a luta sem nunca desanimar. “Se Deus é por nós, quem será contra nós?” (Rm 8,31).

O mundo é enganador. Ele promete vida fácil, ele promete felicidade fácil, ele insinua que nós somos deusinhos e que tudo o que queremos será realizado, basta querer, basta ter “força de vontade” e os nossos desejos todos serão realizados. O mundo canta no ouvido da nossa alma que não há nada acima de nós e o seu mandamento é amar a si mesmo acima de todas as coisas e ao próximo quando for do meu interesse. Consequentemente, ao acreditar nessa mentira, queremos que a realidade ao nosso redor esteja sempre pronta e de joelhos para nos servir. Queremos que as pessoas sejam como nós queremos que elas sejam e que nos admirem, nos amem, nos aplaudam e nos sirvam. Queremos, infantilmente, que os acontecimentos da vida se desvelem exatamente como sonhamos, desejamos e planejamos.

O que acontecerá com essa mimada criança interior, quando ela perceber que foi enganada pelo mundo e a crua e, às vezes, cruel realidade desabar sobre a sua cabeça e ver o seu mundo cair? Aquele que tem fé, humildemente e arrependido, chorará amargamente seu engano e, com certeza, encontrará sempre os fortes braços abertos do Pai para acolhê-lo, perdoar-lhe tudo e dizer-lhe ao coração: “Filho, você está sempre comigo, e tudo o que é meu, é seu também” (Lc 15,31).

Dom Frei Rubens Sevilha, Bispo de Bauru

 

 

 

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.