Artigos

Nova Política Energética

O Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social, que conta com a participação da comissão episcopal para o serviço da caridade, justiça e paz da CNBB, está dando os primeiros passos com vistas à formação de uma ‘Frente por uma Nova Política Energética’. Esta frente é formada por uma rede de entidades que enfrentam questões ligadas à produção e uso de energia. Iniciativas como a “Xingu Vivo para Sempre”, a “Madeira Vivo” e a “Tapajós Vivo para Sempre” colocam em questão a construção de grandes hidrelétricas nos rios da Amazônia.

As entidades que formam a rede e participam da frente questionam a manutenção e aumento da produção de energia nuclear, hoje propalada pelos defensores como energia limpa, barata e segura, mas que, comprovadamente – haja vista os desastres acontecidos em outros países –, representam grave ameaça à vida dos seres humanos. Na pauta está também o combate ao crescimento das usinas térmicas, que geram energia com a queima de fontes fósseis, como o carvão, o petróleo e o gás. Tais usinas emitem crescente quantidade de gases de efeito estufa na atmosfera.

A contribuição do fórum de mudanças climáticas e da frente por uma nova política energética se dá na medida em que aponta, defende e luta por fontes alternativas, menos poluentes, como a energia solar e a eólica (produzida pelos ventos). E, desejando incidir mais eficazmente sobre a política energética atualmente adotada e sobre seus responsáveis, assume duas prioridades em 2014.

A primeira é a de promover, nos dias 7 a 10 de agosto, um fórum social temático intitulado Energia para que, para quem e como? A segunda é implementar uma campanha de mobilização social em favor de mudanças na política energética, propondo que sejam assumidas como fontes prioritárias de energia o sol e o vento, e que sua produção seja descentralizada, nos telhados das casas, igrejas e em espaços comunitários, contando com a participação das famílias e comunidades envolvidas.

A defesa dos direitos sociais dos pobres e do direito ambiental do planeta Terra requer novas, criativas e mais ousadas soluções, hauridas da própria natureza, como o uso da energia que o sol emite e os ventos distribuem generosa e gratuitamente todos os dias sobre o planeta. São decisões e escolhas políticas importantes, que implicam em não prosseguir desenfreadamente com a construção das monumentais obras que afetam a vida de povos e o equilíbrio climático, aumentando o aquecimento global da Terra, causador das mudanças climáticas.

O Fórum, a Frente e as Pastorais Sociais apostam na educação popular como valioso instrumento para levar informações, fomentar consciência crítica e incentivar práticas de cidadania, na linha dos ensinamentos da doutrina social da Igreja, evidenciados nas orientações do Papa Francisco e da CNBB.

Os festejos pascais celebram, cada ano, a vitória de Cristo Ressuscitado, luz verdadeira, mais intensa que a do sol, capaz de apontar novos caminhos para novos tempos. E que esta luz divina aponte para a valorização das fontes naturais de energia, em favor da vida do ser humano e da criação, a mãe Terra, casa comum de todos os filhos e filhas de Deus.

Feliz Páscoa, na alegria do Evangelho!

Dom Pedro Luiz Stringhini, Bispo de Mogi das Cruzes (SP)

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.