Artigos

Não há hora marcada para amar…

 Ao longo do mês de junho, somos convidados a renovar e a intensificar nossa devoção e nosso amor ao Sagrado Coração de Jesus. O discípulo, que se recostou sobre o peito de Jesus (cf. Jo 13, 25), aponta o caminho para crescermos na intimidade, na amizade e na experiência do Coração, que tanto nos amou e entregou sua vida para nos salvar e reconciliar com o Pai.
 Para que nossa devoção ao Coração de Jesus seja sólida e bem enraizada, precisamos entender qual a largura, o comprimento, a altura e a profundidade do amor de Cristo ( cf. Ef 3, 17- 1a).

 Penetrando o Coração de Cristo, contemplando o Lado aberto do Crucificado, sinal do amor total a nós, descobriremos, aos poucos, os segredos mais íntimos da Pessoa de Jesus; fortaleceremos nossa amizade com Ele; faremos experiência inesquecível da Sua bondade, da Sua misericórdia e do Seu amor.

 O Lado aberto do Senhor é uma proposta de caminhar e de reproduzir as atitudes de Cristo em nossa própria vida. O apóstolo e evangelista João, o discípulo amado, percorreu essa estrada, conheceu e creu no amor que Deus tinha por ele (cf. Jo 19, 26); perseverou na escuta da Palavra de Deus, testemunhando e anunciando o que viu e ouviu (cf. 1 Jo 1, 1-2); marcou presença ativa na companhia de Jesus, seguindo o Mestre no Tabor e no Calvário; passou por provações, perseguições, torturas e exílio; fez experiência do “sepulcro vazio” (cf. Jo 20, 2-10).

 Diariamente podemos “experimentar” o Coração misericordioso de Cristo em nossa vida: ouvindo sua Palavra, participando na Eucaristia, reclinando nossa cabeça sobre o peito de Jesus, na adoração eucarística, momento único para aprofundarmos nossa amizade com Ele…

 Todas essas experiências, porém, poderão reduzir-se a exercícios rotineiros e a atos frios, se nossa experiência de Cristo não chegar aos nossos irmãos e irmãs. Por exemplo, reconheço Cristo nos meus irmãos, sobretudo, nos mais necessitados? Que distância preciso para reconhecê-Lo? O “discípulo amado” tinha grande facilidade para “reconhecer” o Senhor ressuscitado.
 Nossas comunidades cristãs são convidadas a “mudar” o ambiente, isto é,  a se tornarem apostólicas… É preciso fazer de nossas comunidades paroquiais verdadeiras “centrais geradoras” de amor, de bondade, de misericórdia, de calor humano, de solidariedade, de  fraternidade e de amor. Esse é o testemunho que nossos contemporâneos mais apreciam em nós.
 
 Ainda que a estrada até o coração de nossos irmãos seja escorregadia, “gelada” ou “congelada”, sempre é possível recorrer às “correntes” da paciência e do amor. Precisamos aprender a ver nosso irmão como Cristo o vê, amá-Lo como Ele amou…
 “Nisto sabemos o que é o amor: Jesus deu a vida por nós” (1 Jo 3, 16). Não há hora marcada para amar…  

Dom Nelson Westrupp, scj, Bispo Diocesano de Santo André

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.