Artigos

Igreja missionária, testemunha da misericórdia

O Dia Mundial das Missões é celebrado na Igreja Católica do mundo inteiro no próximo domingo, 23 de outubro, para manifestar e aprofundar a consciência de que, como discípulos de Cristo, somos um povo missionário. Assim quis Jesus ao enviar os discípulos a todos os povos para anunciarem e testemunharem o Evangelho “a todas as criaturas”. A Igreja de Cristo é, pois, missionária por sua natureza e nunca poderá deixar de ser isso na sua prática cotidiana.

A obra missionária da Igreja, “longe de estar concluída, está apenas no seu início”, escreveu o Papa São João Paulo II na Carta Apostólica “No Início do Novo Milênio” (2001). A Igreja de Cristo nunca poderá considerar concluída a sua missão, antes do “fim dos tempos”. E, mesmo nos lugares onde o Cristianismo já foi florescente no passado, é preciso continuar a realizar o trabalho missionário; do contrário, em poucas gerações, o Cristianismo desapareceria ali e seu lugar seria assumido por outras formas de religião ou pela forma pagã de viver.

Também conhecido como “Jornada Missionária Mundial”, esse Dia das Missões é uma ocasião boa para falar do trabalho missionário realizado no mundo e das iniciativas de apoio aos missionários em cada comunidade da Igreja; mas também tem o objetivo de rezar mais intensamente pelos missionários e pelo bom fruto de seu trabalho, bem como para lhes dar o apoio concreto por meio da coleta para as missões.

A coleta é feita em todas as comunidades católicas do mundo e o fruto desse gesto concreto é repassado à Congregação para a Evangelização dos Povos, pela qual o Papa incentiva e sustenta as obras missionárias da Igreja em várias partes do mundo; nos países da África, Ásia e Oceania, em geral, a Igreja ainda é jovem ou está pouco presente e não possui condições para se sustentar. A nossa generosidade fraterna ajudará os missionários a realizarem ali o seu trabalho.

Todos os anos, o Papa faz uma mensagem para a Jornada Missionária Mundial. Neste ano, o tema da mensagem é “Igreja missionária, testemunha de misericórdia”. Estamos no Ano Santo extraordinário da Misericórdia e o Papa Francisco nos recorda que o trabalho missionário é uma grande e bela obra de misericórdia. Levar aos outros a Boa Nova da salvação e ajudá-los a se encontrarem com o Deus da misericórdia e com Aquele que é o “caminho, a verdade e a vida” é a máxima obra de misericórdia

A misericórdia de Deus, que é “desde sempre e para sempre”, tem sua expressão máxima na encarnação do Filho de Deus, que se fez homem e veio habitar no meio de nós. O Evangelho anunciado pelos missionários não fala de um Deus distante e inalcançável, mas do Deus-amor, que se fez próximo dos homens e manifestou humanamente que os ama com amor infinito. O anúncio da misericórdia de Deus está no centro do Evangelho.

O trabalho dos missionários em meio aos povos e nas comunidades locais realiza-se, em grande parte, por meio do “testemunho da misericórdia”, de maneira especial, nas obras voltadas para a educação, saúde e assistência aos pobres e os mais necessitados da sociedade. O anúncio da misericórdia de Deus, que quer a vida e a salvação de todos, precisa ser acompanhado pelo testemunho concreto das nossas obras de misericórdia. E para tornar possível esse testemunho do Evangelho, os missionários precisam do nosso apoio solidário.

O mandato missionário de Jesus não acabou e, hoje, envolve a cada um de nós, desafiando-nos a fazer a nossa parte. Somos todos convocados a fazer render os talentos que nos foram confiados pelo Batismo e pela participação na vida da Igreja.

O Papa Francisco tem repetido esse apelo missionário de muitas formas; pede-nos uma verdadeira “conversão pastoral e missionária”, para sermos uma Igreja “em estado permanente de missão”, uma “Igreja em saída”, que não se ocupe apenas com as suas questões internas; pede-nos para sermos corajosos em testemunhar nossa fé, mesmo nas adversidades que a cultura atual contrapõe ao testemunho missionário da Igreja.

Cardeal Odilo Pedro Scherer
Arcebispo metropolitano de São Paulo
Publicado no Jornal O SÃO PAULO – Edição 3124 – De 19 a 25 de Outubro de 2016

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.