Artigos

Evangelizar com alegria

Torna-se cada vez mais frequente e comum ouvir dizer que a Exortação Apostólica do Sumo Pontífice Francisco: “A Alegria do Evangelho” sobre o anúncio do Evangelho no mundo atual, pode ser considerada como um verdadeiro testamento de seu Pontificado. Na verdade, o Documento traça linhas fundamentais e essenciais para o caminho pastoral e evangelizador a ser percorrido pela Igreja Universal.

Ao terminar a leitura dos 288 números do Texto, carregado de profetismo e desafios eclesiais, minha primeira impressão foi a de que o Papa Francisco quis abrir seu coração de Vigário de Cristo e revelar seu mais íntimo pensar e sentir, fazendo transparecer todas as suas ânsias e sonhos relativos ao mandato missionário de Jesus (cf. Mt 28, 19-20).  Certamente o Papa Francisco ainda escreverá muitas coisas, esclarecerá muitos outros conceitos, apresentará novas ideias e fará novas propostas pastorais… Dificilmente, porém, outra semelhante à presente Exortação Apostólica.

Lendo, estudando e meditando as homilias do Papa Francisco, suas catequeses, seus pronunciamentos e escritos, facilmente se chega à conclusão de que carrega em seu coração o que realmente é essencial e indispensável à missão da Igreja de Cristo: anunciar, celebrar, viver e testemunhar o Evangelho com alegria.

Anunciar a Boa-Nova, porém, não é dever nem privilégio de ninguém, antes que ela seja comunicada a todos  e  por todos.

“Todos somos chamados a esta nova “saída” missionária, insiste o Papa Francisco. Cada cristão e cada comunidade há de discernir qual é o caminho que o Senhor lhe pede, mas todos somos convidados a aceitar esta chamada: sair da própria comunidade e ter a coragem de alcançar todas as periferias que precisam da luz do Evangelho” (EG, 20).

Portanto, cada um dos batizados é um sujeito ativo de evangelização. Ninguém renuncie ao seu compromisso de evangelização. Cada cristão é missionário na medida em que se encontrou com o amor de Deus em Cristo Jesus. Já “encontramos o Messias”? O que estamos esperando para “sair” de nós mesmos e levar a luz do Evangelho aos que precisam da luz? (cf. ibidem, 120).

O início de um novo ano pastoral é assaz propício para envolvermo-nos, comprometermo-nos e assumirmos com ardor e amor nossa missão eclesial.

Apaixonados por Cristo no serviço pela causa do Reino, abracemos as “Urgências na ação evangelizadora” com a alegria do Evangelho no coração.

Por Dom Nelson Westrupp, scj, Bispo Diocesano de Santo André

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.