Artigos

Estilo Eucarístico de vida social

Divulgação/Diocese de Jales

Em meio à grande diversidade de expressões religiosas no Brasil, cuja liberdade está assegurada pelo artigo 5º, inciso VI, da Constituição Federal, os cristãos católicos têm o costume histórico de expressar publicamente sua fé de modo muito belo e inspirador. Um exemplo significativo é a celebração e procissão de Corpus Christi. Nesse dia, muitíssimas comunidades cristãs enfeitam ruas por onde caminham em oração com Cristo eucarístico. Qual é seu sentido?

Corpus Christi significa Corpo de Cristo. Desde o século XIII, a Igreja celebra essa solenidade enfatizando o sentido da eucaristia. Cristo a instituiu como memorial da sua paixão, morte e ressurreição. A densidade teológica, eclesial e espiritual desse memorial justifica esse dia dedicado à oração, à reflexão e à manifestação pública da fé cristã na eucaristia. Os Evangelhos, o Apóstolo Paulo e outros textos do Novo Testamento relatam o memorial eucarístico.

Na última ceia com seus discípulos, Jesus celebrou a páscoa, associando ao pão e ao vinho partilhados sua própria vida oferecida para a vida do mundo, confirmando o que Ele havia anunciado: “Eu vim para que todos tenham vida e vida em abundância” (Jo 10,10). Celebrando a eucaristia, a Igreja atualiza essa ação de Cristo. Sendo comunidade dos que creem em Cristo, a Igreja é, ela mesma, o corpo místico de Cristo, que tem por missão unir os seres humanos.

Uní-los implica reconciliá-los, transformando injustiças em solidariedade. Tal incidência comunitária e social da eucaristia faz com que a Igreja celebre o Corpus Christi de maneira pública, convidando todas as pessoas de boa vontade a se unirem em prol do bem comum, com ações em favor de pessoas necessitadas, supondo, também, outros estágios da caridade: promoção humana, reivindicação de direitos e participação direta na gestão da vida social.

A eucaristia é, pois, muito mais que uma celebração. Ela é uma dimensão fundamental da vida cristã que deve se manifestar na qualidade de nossas relações interpessoais e da organização de nossa vida social. Onde a vida e o pão são partilhados, Cristo está presente. Sua presença na eucaristia é mais que simbólica. Ela é real. Pela consagração, o pão e o vinho são substancialmente transformados em corpo e sangue de Cristo, que significam “vida para o mundo” (Jo 6,51).

Cristo está sacramentalmente presente sob as espécies de pão e vinho consagrados, significando seu corpo sacrificado e seu sangue derramado na cruz para salvação da humanidade. Ele continua presente na Comunidade Eclesial Missionária, pois esta é também o corpo vivo e vivificante de Cristo. Ele está presente nos cristãos e, finalmente, em todas as pessoas de boa vontade que vivem e atuam em comunhão, em prol da vida na sua integralidade e do bem comum.

A solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo desafia, portanto, as próprias comunidades cristãs a serem mais unidas, como testemunhas do amor almejado por Cristo à humanidade. Após a última ceia, Cristo rogou a Deus Pai por todos os que, por meio de sua Palavra acreditariam nele, para que se tornassem um (cf. Jo 17). Essa oração de Cristo inspira-nos a orar pela unidade dos cristãos e todos os seres humanos, e por suas ações comuns em favor da justiça social.

A ceia do Senhor tem, portanto, uma dimensão social, não podendo ser celebrada indignamente. Sua autenticidade deve ser comprovada sobretudo pela comunhão em Cristo e pela solidariedade para com os pobres e sofredores, com quem ele se identifica (cf. Mt 25,31-46). Por fim, ela não é intimista. Seus efeitos não se limitam ao coração. Afinal, por ela somos desafiados a superar discórdias, promover altruísmo e gerar um “estilo eucarístico de vida social”.

Dom Reginaldo Andrietta, Bispo Diocesano de Jales

Jales, 19 de junho de 2019.

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.