Artigos

Encíclica: mudança de hábitos na casa comum

É bem interessante a compreensão que o Papa Francisco transmite, na encíclica “Laudato si’”, sobre a natureza e o meio ambiente: é a “casa comum” de toda a família humana, que depende do zelo e do cuidado de todos para se manter boa para abrigar e sustentar a todos.

A compreensão que temos da natureza é fundamental para o nosso relacionamento com ela: um tesouro pronto para ser explorado e apossado? Um depósito de bens úteis, onde é só entrar e pegar? Uma espécie de “casa da mãe Joana”, onde cada um faz o que quer? Ou ainda, um tabu intocável? O Papa ensina que a natureza é a “casa comum”, que nos abriga e nutre, que todos precisam para viver; dela todos devem cuidar responsavelmente. Este modo de ver as coisas tem consequências para a nossa relação com a natureza.

Na última parte da encíclica, o Papa Francisco afirma que o cuidado global da natureza vai além de atitudes individuais e pessoais, que certamente são necessárias; mas também se requerem políticas globais, assumidas por todos os países e governos. Parece óbvio mas, infelizmente, como é difícil pôr isso em prática! Muitas reuniões e Conferências já se fizeram, com belas declarações, mas poucos resultados efetivos…

É verdade que uma formação ampla da consciência sobre os cuidados da natureza requer tempo e muito esforço. É difícil mudar os hábitos já adquiridos e cômodos. Mais difícil ainda é reformular o jeito de trabalhar e ganhar dinheiro, se a agressão à natureza está gerando lucros e vida confortável!

Mas aqui é preciso pôr a mão na consciência e perguntar: aonde isso vai levar? O modo atual de tratar a natureza assegura um futuro para ela e para nós mesmos? É equivocado argumentar que o desenvolvimento dos países e das populações pobres leva necessariamente a avançar por cima da natureza, danificando-a. Francisco convida a mudar hábitos e estilos de vida: o consumismo requer sempre mais bens supérfluos e causa desperdícios; é predatório e acaba com a natureza, que nos deve sustentar e nutrir agora e no futuro.

Além disso, Francisco convida os povos e governos a uma “reação global, mais responsável” (cf nº 175), procurando diminuir os efeitos danosos da economia tecnocrática e de consumo, ajudando, ao mesmo tempo, a desenvolver os países mais pobres. E volta a propor aquilo que já havia sido pedido por seus predecessores em mais de uma ocasião: que haja um “governo mundial” da economia, da justiça e da paz e também das questões ambientais. Não dá mais para fazer de conta que os problemas sócio-ambientais são isolados e dependem apenas de decisões locais.

O Papa convida todos a verificar se estamos vivendo de maneira ambientalmente sustentável. De acordo com alguns estudiosos do problema, se toda a população do mundo tivesse o mesmo nível de consumo e demanda de bens da natureza dos países mais ricos, não bastariam três planetas Terra para satisfazer a voracidade do consumo humano… O desejo de consumir não conhece limites, se não for disciplinado a partir de referenciais éticos conscientemente assimilados, responsáveis do ponto de vista social e ambiental.

Por isso, na encíclica aparecem os conceitos de “conversão ecológica” e “conversão do modelo de desenvolvimento global”. É necessário mudar (“converter”) hábitos irresponsáveis na nossa relação com o ambiente. Da mesma forma, é urgente mudar (“converter”) certos modos de orientar a vida econômica pessoal, dos países e povos. A meta de lucro sempre maior, a qualquer preço, é insustentável e pode acabar com a natureza.

Papel importante tem a educação e também a vida mística (cf cap. VI). É preciso e é possível educar para outros estilos de vida, mais respeitosos da natureza. E as motivações vindas da fé em Deus Criador poderão ajudar muito a adequar nossas relações com a natureza, que é um precioso dom do amor de Deus para suas criaturas.

Publicado no jornal O SÃO PAULO – Edição 3061 – 22 a 28 de julho de 2015.

Por Dom Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo

 

 

 

Dom Odilo Pedro Scherer

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.