Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Por ser Domingo das Mães, o dia fica muito especial. E por ser especial, é preparado com antecedência, esperado com ansiedade, precedido de diversas providências para que a festa seja garantida.
Na verdade, o Domingo das Mães nos coloca o desafio de como celebrar todos os domingos. Todos eles podem assumir a dimensão de festa, que congrega a família, e reúne a comunidade.
São duas realidades que precisam fazer parte de qualquer domingo que se preze: a família e a comunidade.
Todo Domingo é dia da família, todo domingo é dia da comunidade.
São as duas referências que situam o cotidiano de nossa existência, que tem na semana o seu ritmo, que nunca foi alterado. Tanto que até hoje nunca foi mudada a sequência dos dias da semana.
Quando é escolhido o Domingo para assinalar uma efeméride, é sinal de que a data a ser comemorada é muito especial, a ponto de contagiar a semana toda.
Por isto, a festa das mães não é vinculada a um dia do mês, mas a um dia da semana, no caso o domingo. Ficaria sem graça, por exemplo, celebrar o Dia das Mães numa segunda-feira. Uma festa especial requer um domingo para ser bem celebrada.
Comparando com as festas litúrgicas, o Domingo de Páscoa serve como referência permanente para a celebração de todos os outros domingos. Ele dá o conteúdo a ser celebrado em cada domingo. Por conta disto, todos os domingos, de certa maneira viram “domingo de páscoa”, no qual celebramos o mistério da paixão, morte e ressurreição de Jesus.
Se a páscoa fornece o conteúdo, o Domingo das Mães fornece a forma para celebrar o domingo de maneira festiva. E nos ensina que todas as realidades de nossa vida recebem um sabor melhor, e tomam seu sentido verdadeiro, quando bem assumidas, e bem celebradas de domingo.
Assim se confirma a importante convicção da liturgia, de celebrar a memória dos mistérios de Cristo, mas também celebrar a realidade cotidiana de nossa vida, colocada à luz desses mistérios, que a iluminam, e a integram como motivo de nossa celebração.
O domingo é o dia de recordar a memória do Senhor, mas é também o dia de celebrar nossa vida, com os muitos motivos de ação de graças que ela nos apresenta.
Como todo domingo é dia de Páscoa, bom seria se todo domingo contasse com a dinâmica envolvente do dia das mães. Para ser preparado, aguardado com expectativa e celebrado com alegria em toda a comunidade, em todas as famílias.
Desaprendemos a valorizar os domingos. Por isto eles perderam sua graça.
Como no Domingo das Mães não pode faltar na comunidade uma homenagem especial para elas. E não pode faltar na família um bom almoço, temperado com carinho e com alegria.
Assim em todo domingo. Não pode faltar a celebração na comunidade, da qual devemos participar ao vivo. E não pode faltar a festa em família, na alegria de sentir-nos unidos e abençoados por Deus.
Comunidade e família, os dois componentes que não podem faltar em nenhum domingo!
Por Dom Demétrio Valentini, Bispo de Jales (SP)