Artigos

Dia Mundial das Missões

No dia 20 de outubro, celebraremos com toda a Igreja o Dia Mundial das Missões. Em sua  mensagem para este dia e na perspectiva do encerramento do Ano  da   Fé  o  Papa  Francisco   propõe  algumas  reflexões.

Primeiramente ele recorda que a fé é um dom precioso de Deus, um dom que pede para ser acolhido. Lembra que é “um dom que não está reservado a poucos, mas é oferecido a todos com generosidade: todos deveriam poder experimentar a alegria de se sentirem amados por Deus, a alegria da salvação. E é um dom que não se pode conservar exclusivamente para si mesmo, mas deve ser partilhado; se o quisermos conservar apenas para nós  mesmos,  tornamo-nos   cristãos  isolados, estéreis e combalidos”. Depois o Papa lembra os 50 anos do início do Concílio Vaticano II; Concílio que “pôs em evidência de modo especial como seja próprio de cada batizado e de todas as comunidades cristãs o dever missionário, o dever de alargar os confins da fé: ‘Como o Povo de Deus vive em comunidades, sobretudo diocesanas e paroquiais, e é nelas que, de certo modo, se torna visível, pertence a estas dar também testemunho de Cristo perante as nações’  (Decr.  Ad gentes, 37)”.  E    faz   um   convite: “Convido os bispos, os presbíteros, os conselhos presbiterais e pastorais, cada pessoa e grupo responsável na Igreja a porem em relevo a dimensão missionária nos programas pastorais e formativos, sentindo que o próprio compromisso apostólico não é completo, se não incluir o propósito de ‘dar também testemunho perante as nações’, perante todos os povos”.

Em seguida o Papa chama a atenção para os obstáculos à obra da evangelização e faz uma afirmação séria: “os obstáculos à obra de evangelização encontram-se, não no exterior, mas dentro  da própria comunidade eclesial. Às vezes, estão relaxados o fervor, a alegria, a coragem, a esperança  de  anunciar  a  todos  a  Mensagem  de Cristo  e ajudar os homens do nosso tempo a encontrá-Lo”.  Mais  adiante  ele  observa:  “Com frequência, vemos que a violência, a mentira, o erro é que são colocados  em  evidência  e propostos. É urgente fazer resplandecer, no nosso tempo, a vida boa do Evangelho pelo anúncio e o testemunho,  e  isso dentro da Igreja”.

Num  quarto  momento,  o Papa  chama  a  atenção  para a mobilidade, o deslocamento das pessoas e  a  facilidade de comunicação, lembrando o grande movimento de pessoas. E ele diz: “Às vezes, resulta difícil até mesmo para as comunidades paroquiais conhecer, de modo seguro e profundo, quem está de passagem ou quem vive estavelmente no território. Além disso, em áreas sempre mais amplas das regiões tradicionalmente cristãs, cresce o número daqueles que vivem alheios à fé, indiferentes à dimensão religiosa ou animados por outras crenças”. Lembra ainda que “A própria convivência humana está marcada por tensões e conflitos, que provocam insegurança e dificultam o caminho para uma paz estável. Nesta complexa situação, onde o horizonte do presente e do futuro parecem atravessados por nuvens ameaçadoras, torna-se ainda mais urgente levar corajosamente a todas as realidades o Evangelho de Cristo, que é anúncio de esperança, de reconciliação, de comunhão, anúncio da proximidade de Deus, da sua misericórdia, da sua salvação, anúncio de que a força de amor de  Deus é capaz de vencer as trevas do mal e guiar pelo caminho do bem”.

A  quinta  reflexão do Papa é um agradecimento   e   encorajamento  a   todos os missionários  e  às  missionárias  que “deixaram a própria pátria para servir o  Evangelho  em   terras  e  culturas   diferentes”.  E lembra a todas as Igrejas que  “dar  missionários  nunca  é uma perda, mas um ganho”.   Por  fim,  faz um  convite:   “Convido  também  os  bispos, as famílias religiosas,  as comunidades e todas as agregações cristãs a apoiarem, com perspicácia e cuidadoso discernimento, a  vocação  missionária ad gentes e a ajudarem  as Igrejas que precisam  de  sacerdotes, de religiosos e  religiosas  e  de leigos  para revigorar a comunidade cristã”.

Lembro a todos os fiéis de nossa Arquidiocese  que   no  Dia  Mundial   das Missões,  em  todas  as  missas,   faremos a Coleta para as Missões: sejamos generosos!

Dom Moacir Silva, Arcebispo Metropolitano de Ribeirão Preto e Vice-Presidente do Regional Sul 1 da CNBB

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.