Artigos

Cristãos leigos: sal da terra e luz do mundo

O documento nº 105 da CNBB, fruto da assembleia geral da CNBB de 2016, atualiza a reflexão teológica e pastoral sobre a vida e a missão dos cristãos leigos na Igreja e no mundo, tendo em vista os novos apelos que chegam da realidade eclesial e social, bem como as mais recentes diretrizes do Magistério eclesial, sobretudo do Papa Francisco.

O subtítulo do texto – “sal da terra e luz do mundo”, tomado do Evangelho de São Mateus (cf. Mt 5, 13-14) – aponta para a dimensão missionária da vocação laical, que se realiza especialmente no mundo secular. Participando de todos os âmbitos da família, da vida social, do trabalho, do universo das realidades econômicas e das responsabilidades públicas, os leigos, no ambiente que lhes é próprio, são as testemunhas de Jesus Cristo e os agentes de transformação dessas realidades com a força do Evangelho.

São discípulos de Cristo e membros da Igreja, corpo de Cristo, pela graça recebida no Batismo; enraizados em Cristo e recebendo do Espírito Santo a assistência e a força, os cristãos leigos atuam em todo o tecido social, contribuindo com suas convicções orientadas pelo Evangelho para dar às realidades terrestres o rumo e o sabor do Reino de Deus. Dessa forma, realizam a ordem dada por Cristo aos apóstolos e a toda a Igreja: “Ide por todo mundo, proclamai o Evangelho a toda criatura” (cf. Mt 28, 19-20).

Os leigos também participam da missão interna da Igreja e essa participação é muito necessária. Porém, sua missão não se esgota no âmbito eclesial e precisa realizar-se especialmente no mundo secular, espaço privilegiado da vida e da ação dos cristãos leigos, onde eles exercem suas responsabilidades com competência própria e não por delegação da hierarquia da Igreja: são discípulos e missionários de Jesus Cristo, que agem em função da vocação recebida no Batismo e da unção do Espírito Santo, que os faz testemunhas de Cristo. Todo o povo de batizados é um povo missionário.

Em nossos dias, muitos leigos buscam expressar a sua participação na missão da Igreja, sobretudo no desempenho de funções e ministérios intraeclesiais. Estes, sem dúvida, são necessários, mas não dispensam a outra dimensão da missão eclesial, que se realiza no mundo. Enquanto isso, sente-se grande falta de católicos bem formados e atuantes no mundo, em nome da própria fé e de sua pertença à Igreja. Os leigos não precisam esperar uma convocação extraordinária para serem enviados a atuar no mundo.

Quando falamos em atuação dos leigos no mundo, não queremos logo dizer que eles devam, em toda parte e a toda hora, tornar presente ali a dimensão propriamente religiosa e litúrgica da vida cristã. Não se espera que promovam a celebração da missa ou a reza do rosário nos lugares de trabalho, do esporte, da comunicação, da política, da justiça, da educação… Isso até poderá acontecer, quando for oportuno; mas talvez também pode deixar de acontecer nesses âmbitos, onde os leigos católicos estão lado a lado com pessoas de fé diferente e pessoas sem fé.

Mais que tudo, os cristãos leigos são testemunhas de Deus e de Jesus Cristo Salvador, fazendo brilhar a luz do Evangelho que receberam, sem escondê-la, mas agindo em coerência com sua fé e com a moral dela decorrente. Que ajudem a sociedade a discernir e a decidir sobre todas as coisas à luz do Evangelho do Reino de Deus e que lutem para a superação de tudo aquilo que é contrário ao Evangelho do Reino de Deus. Espera-se que o leigo católico tenha conduta íntegra e virtuosa na administração “dos negócios temporais”; que promova uma educação marcada pela compreensão cristã da pessoa humana, do convívio social e das realidades deste mundo. Que realize a sua vida matrimonial e familiar em conformidade com as orientações que brotam da fé e da mística do Evangelho. A família é um lugar privilegiado, onde os leigos podem expressar sua condição religiosa de “Igreja doméstica”.

Para realizar sua grande e desafiadora missão, é indispensável que o cristão leigo tenha uma profunda experiência de Deus e da vida segundo o Evangelho. A alimentação constante na Palavra de Deus, a participação nos sacramentos e o cultivo da oração lhe darão o alimento e o sustento interior necessário. E a participação na vida da comunidade eclesial o ajudará a manter firmes as referências e motivações. Ele não está sozinho, mas é membro de uma comunidade de discípulos missionários de Jesus Cristo.

Cardeal Odilo Pedro Scherer
Arcebispo metropolitano de São Paulo

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.