Artigos

A Igreja na cidade grande

De 8 a 11 de outubro passado, realizou-se em Guadalajara (México) o 1º Congresso Continental sobre a Pastoral nas Metrópoles, promovido pelo Conselho Episcopal Latino-Americano (CELAM) em parceria com a arquidiocese de Guadalajara. Os mais de 500 participantes provinham de quase todos os países da América, do Canadá a Argentina; a maioria, porém, era do próprio México, especialmente da arquidiocese anfitriã do Congresso.

O fenômeno das metrópoles muito populosas pode ser observado no mundo inteiro e está em franco aumento. É a primeira vez na história da humanidade que temos essas grandes concentrações urbanas e, por isso, as metrópoles são objeto de diversos tipos de estudos e análises. Como não poderia deixar de ser, elas também interessam à vida e à missão da Igreja. As enormes mudanças econômicas, sociais, políticas, ambientais, culturais e antropológicas que nelas se operam incidem também de maneira impactante na dimensão religiosa e moral do homem e da sociedade. O desafio para a Igreja é a realização de sua missão evangelizadora nesse contexto em constante mudança.

O tema do Congresso – “a alegria do Evangelho para as grandes cidades” – foi abordado a partir de diversos enfoques e metodologias, como conferências, mesas- -redondas, partilha de experiências e testemunhos sobre novas metodologias de evangelização já em curso em diversas metrópoles. Foram feitas numerosas referências ao Documento de Aparecida e à Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, do Papa Francisco. Esses documentos já abordam a questão da evangelização nas grandes cidades e oferecem indicações preciosas a serem levadas em conta.

Foi generalizada a constatação de que as metrópoles desafiam a Igreja a buscar novos caminhos de evangelização, que sejam adequados a essa realidade complexa e urgente. Sem medo de errar, podemos afirmar que o futuro da Igreja dependerá em boa parte do modo como ela se relaciona com as cidades, especialmente as grandes metrópoles. Muitos são os desafios a serem enfrentados, como o diálogo com a cidade, onde a Igreja não é a única voz a falar e a se propor e onde ela precisa encontrar espaços para o contato com as pessoas e para ser ouvida.

Outro desafio para a Igreja é manter sua identidade e a fidelidade a si mesma num contexto religioso plural e, por vezes, também fechado e até avesso ao Cristianismo e à religião. Desafio imenso para a Igreja é sua própria “conversão pastoral”, para ser sempre mais uma Igreja missionária, “em saída”, conforme palavras do Papa Francisco. No contexto da metrópole, a própria Igreja precisa assumir um jeito urbano de ser, de se propor e de fazer pastoral.

Ela precisa passar decididamente da ideia de uma Igreja pronta e estabelecida para uma Igreja que assume a sua condição peregrinante, que se lança para o meio do povo, ao encontro das situações em constante mudança, para fazer-se próxima e solidária das pessoas que sofrem e, muitas vezes, são excluídas, descartadas e esmagadas pela metrópole. A credibilidade do anúncio da Igreja estará sempre mais relacionada com a sua capacidade de ser samaritana e coerente com o Evangelho que ela prega.

A Igreja precisa voltar-se para a grande cidade com um olhar novo, iluminado pela fé e pelo desígnio de Deus sobre as pessoas que vivem na metrópole. Talvez a metrópole nos lembre mais “Babilônia” do que a Jerusalém celeste e assim também nossa atitude acaba sendo mais uma atitude julgadora eaté condenatória do que de anunciadores da Boa Nova da esperança e da salvação. Precisamos voltar-nos para as grandes cidades com um olhar contemplativo e místico, percebendo nelas a presença de Deus e sua manifestação, mesmo nos lugares e situações mais surpreendentes. Jesus contemplou Jerusalém, teve pena dela e chorou sobre ela, pois lhe queria bem e queria levar a paz e a salvação.

Precisamos passar do olhar de Jonas sobre Nínive, que era de desdém e rejeição, para o olhar próprio de Jesus, que era de compaixão e misericórdia pelas pessoas que habitam cada canto da cidade e que Deus ama e quer salvar.

Na realização do nosso sínodo arquidiocesano, temos uma oportunidade boa para nos darmos conta da situação de nossa Igreja na metrópole paulistana. Há muitos desafios a enfrentar, mas também grandes oportunidades a aproveitar, que requerem de nós uma especial atenção para as práticas e os métodos pastorais mais adequados.

Cardeal Odilo Pedro Scherer
Arcebispo Metropolitano de São Paulo

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.