Artigos

8º Encontro Mundial das Famílias e Sínodo dos Bispos

Circular 06/2015

Meus prezados irmãos e irmãs,

Ao escrever-lhes, neste mês de julho, gostaria de chamar a atenção de vocês para a importância de dois eventos que ocorrem neste ano e que dizem respeito à família. Tratam-se do 8º Encontro Mundial das Famílias, que ocorrerá na Filadélfia, nos Estados Unidos da América, entre os dias 22 e 25 de setembro com o tema “O amor é nossa missão: a família plenamente viva”, inclusive com a presença do Papa Francisco; e da 14ª Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, que acontecerá em Roma, de 04 a 25 de outubro com o tema “A vocação e a missão da família na Igreja e no mundo contemporâneo”.

Dando continuidade a reflexão iniciada em preparação a 13ª Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos que ocorreu em outubro passado, a Igreja conduzida pelo Papa Francisco não deixa de debruçar-se sobre a família, levando em conta o que já afirmara São João Paulo II: “O futuro da humanidade depende da família”.

Não são poucas as realidades, no nosso tempo, que não só ameaçam a estabilidade familiar, mas colocam em risco a própria sobrevivência da família. Hoje, já em várias partes do mundo, a família sobrevive às duras custas, exigindo da Igreja uma atenção constante e cuidado de mãe.

Na Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos que tratou dos desafios pastorais sobre a família no contexto da evangelização, os Padres Sinodais elencaram algumas realidades pastorais mais urgentes que exigem da Igreja respostas rápidas para ajudar as famílias a realizarem na Igreja e no mundo a sua missão:

imagesHXF8LC1EEm primeiro lugar, será importante nos nossos dias, anunciar o Evangelho da família. Será “o testemunho jubiloso dos cônjuges e das famílias, igrejas domésticas” que fará com que a mensagem sobre a família encontre eco no coração e na vida das pessoas. Neste aspecto, “as famílias católicas estão chamadas a serem, elas mesmas, protagonistas ativas da pastoral familiar”, cabendo-lhes “propor valores, respondendo à necessidade dos mesmos que hoje se contata inclusive nos países mais secularizados”.

Sem mais, no momento, despeço-me desejando a todos as copiosas bênçãos e luzes do Divino Espírito Santo, Patrono de nossa diocese, e a proteção materna de Nossa Senhora Aparecida que acompanha nossa Igreja na sua caminhada de evangelização.

Por Milton Kenan Júnior, Bispo de Barretos

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.