A Jornada Mundial da Juventude em Lisboa, Portugal, foi um evento significativo. Milhares de jovens de toda parte acorreram para participar deste encontro dos jovens com o papa. A presença do Papa Francisco motivou os jovens. Eles se dispuseram a aceitar sua mensagem, no sentido de remar contra a corrente. Seguir o caminho inverso da descrença, desânimo, desorientação, fuga e autodestruição no qual muitos jovens hoje se veem.

Esta multidão de jovens sentiu um impacto enorme, ao perceberem que embora pertencentes a culturas e nações diversas, todos têm a mesma fé em Cristo. Se não, tem boa vontade e desejo de que a vida triunfe sobre as estruturas de morte. A Jornada da Juventude é um evento missionário, um chamado à fraternidade universal para os que participam sem serem cristãos.

Porém estas jornadas da juventude nos colocam uma pergunta crucial sobre a juventude nos dias atuais. Muitos jovens concordam que a vida é um privilégio, falam de sua condição de jovens com orgulho, como se falassem de uma virtude extraordinária. No entanto, a juventude é apenas uma das quatro etapas principais da vida: infância, juventude, vida adulta e velhice. A juventude passa!

Os jovens devem levar em conta a sabedoria dos antigos que percebem em todas as fases da vida grandezas e falências, o lado positivo e o lado negativo. Cada fase da vida, e a juventude principalmente, tem suas oportunidades e incompletudes. Que o jovem aproveite esta fase bela da vida para viver intensamente cada dia, cada hora, sem se deixar levar pela ilusão dos vícios. Que se apaixonem muitas vezes e possam enfim viver um grande amor.

A juventude é a idade da coragem! Coragem para viver uma nova experiência e experimentar uma nova aventura. Que tenha muitos sonhos mas saibam que a realidade se constrói no dia, a dia entrelaçada com o destino e as circunstâncias. Fisicamente a juventude é o esplendor da vida, por isso todo jovem “normal”, tem um amor visceral à vida e um irresistível otimismo. A confiança que o jovem tem na vida lhe permite alimentar grandes e nobres aspirações. Nada parece impossível ao jovem.

Que todo jovem saiba que o importante não é a vitória, mas a luta contínua para descobrir o sentido da vida e vive-la intensamente. Que sejam capazes dos gestos mais heroicos, gratuitos e repletos de amor.

Em nossa cultura, na intensidade de seus processos de comunicação se abreviaram os anos de juventude, ou anteciparam suas características para a adolescência. Por isso e outros fatores, por mais que a juventude seja apreciada e exaltada, a vida do jovem hoje é dura, não é fácil.

No entanto é preciso resistir e lutar, não se deixar abater. Não ter medo, como recomendou o Papa Francisco, durante a Jornada Mundial da Juventude. Conservar uma juventude de espírito que independente do número e anos, conservar a alegria de viver e o idealismo de vencer o mal fazendo o bem. Esta é tarefa de todos nós.

Se hoje se nasce velho devido às dificuldades e desilusão com a vida, com o susto desta mudança de época na qual nos movemos, é preciso morrer jovem de espírito, descobrindo a arte de bem viver.

Por: Dom Pedro Cipollini – Bispo de Santo André