Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Por Dom Rubens Sevilha, OCD, bispo de Bauru
Jesus ensinou que não devemos julgar ninguém, pois nunca conhecemos as pessoas na sua totalidade, portanto, só Deus pode fazê-lo. Todavia, sem julgar pessoas concretas, podemos tentar fazer uma avaliação geral e abstrata delas e uma das conclusões, a meu modesto e imperfeito ver, é a seguinte: o pior no ser humano é a presença de três defeitos, sendo eles o hebetismo, o orgulho e a maldade. Em contrapartida, o melhor no ser humano são as três virtudes: a sabedoria, a humildade e a bondade (amor).
Todos temos igual dignidade diante de Deus mas, infelizmente, devido ao pecado ou, às vezes, mesmo sem culpa, nos diferenciamos entre pessoas melhores e menos melhores. Ninguém é completamente bom e ninguém é completamente mau. Somos melhores quando, por vários motivos e modos, as três virtudes citadas florescem em nossa maneira de ser.
Sabedoria é diferente de erudição ou inteligência. Trata-se aqui, sobretudo, de um olhar sereno e realista sobre a realidade, ou melhor, de uma visão de mundo onde, além da humana lógica racional, sobrepõe-se a lógica contemplativa da fé. Trata-se de educar o próprio olhar para que ele veja a realidade como Deus olha todas as coisas e todas as pessoas. O crente é o verdadeiro realista pois, em tudo o que vê, mistura uma dose de otimismo contido com uma boa dose de pessimismo esperançoso. Aqui está a sabedoria. O contrário da sabedoria é a pessoa que acredita que a realidade é exatamente aquilo que ela decretou ser. Consequentemente, ela viverá em uma eterna gangorra emocional feita de exagerados momentos de otimismo eufórico com pessimismos amargos e deprimentes.
As melhores pessoas são humildes. Santa Teresa de Ávila escreveu que humildade é caminhar na verdade. Humilde é a pessoa que enxerga e aceita a si mesma do jeito que ela é e aceita também os outros do jeito que eles são, pois sabe que fomos planejados por Deus, criados por Deus, conduzidos por Deus e, assim sendo, aconteça o que acontecer, estará sempre serena e feliz. Pelo contrário, o orgulhoso não enxerga a si mesmo e aos outros como planejados por Deus, criados por Deus, conduzidos por Deus, pelo contrário, ele pretende colocar-se no lugar do criador e se autoplanejar, autocriar, autoconduzir. O orgulhoso não caminha na verdade, pois prefere a ilusão de ser aquilo que ele não é e pretende ser aquilo que ele nunca conseguirá ser. O orgulhoso terminará decepcionado diante da própria ilusão de querer colocar a si mesmo no lugar de Deus. Além disso, ele espera que todos ao seu redor o reconheçam, o admirem e o venerem, afinal, ele considera-se acima dos comuns dos mortais.
A bondade é o reflexo da presença de Deus em uma pessoa. Quanto mais perto de Deus, mais a alma irradiará bondade ao seu redor. A bondade que se concretiza em ações, atitudes, palavras, ideias, silêncios etc. não é algo que acontece espontaneamente, mas é uma construção lenta, difícil e sofrida. A vida de Jesus mostra para aqueles que se decidem a segui-lo que devem amar até o fim e dar a vida pelos amigos, que é preciso, por amor, renunciar a si mesmos e carregar a cruz de cada dia.
A bondade, hoje, não é uma virtude muito exaltada, pois ela foi desidratada e é vista como ingenuidade, erroneamente associada à timidez e até certa covardia. A bondade não é bem vista em um mundo que valoriza a competição ambiciosa e egoísta. Na realidade, somente os fortes de espírito, com muito suor e lágrima, apoiados na graça de Deus, conseguem crescer em bondade.
O nosso mundo carece urgentemente de pessoas boas, que busquem, sinceramente, a sabedoria e a bondade, com humildade.