Notícias

Regional sediou 9º Sulão e o 22º Encontro Ecumênico

sulao_reduzidoPessoas vindas de quatro estados do país, comprometidas com o Ecumenismo estiveram reunidas em Vargem Grande Paulista, no último fim de semana, para participar do Sulão.

“Reconciliação e Unidade” foi o tema do 9º Sulão e o 22º Encontro Ecumênico que aconteceu entre os dias 14 a 16 de julho em Vargem Grande Paulista, SP. O evento, que reuniu cerca 80 pessoas vindas de quatro estados do país, teve o intuito de ser um espaço de estudos, momentos celebrativos e convivências.

Durantes os dias 14 a 16 de julho de 2017 aconteceu no Centro Mariápolis Ginetta o IX Sulão e XXII Encontro Ecumênico, organizado pela Comissão para o Ecumenismo e o Diálogo inter-religioso do Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil com o apoio da Casa da Reconciliação, cujo tema foi “Reconciliação e Unidade”, abrangendo uma reflexão sobre os 500 Anos da Reforma Protestante.

O Sulão é composto pelos Regionais Sul 1 (São Paulo), 2 (Paraná), 3 (Rio Grande do Sul) e 4 (Santa Catarina).

O coordenador estadual da Comissão para o Ecumenismo e o Diálogo inter-religioso do Regional Sul 1 da CNBB e anfitrião do evento, padre José Bizon acolheu os 80 membros dos Regionais, comprometidos com o Ecumenismo que se fizeram presentes. Houve várias conferências, entre elas foi abordada A Reforma Protestante no seu contexto histórico, Pastor e Dr. Lauri Emílio Wirth da IECLB (Igreja Luterana); A Mídia e o Diálogo com as religiões e a sociedade, jornalista Cristina Angelini; e o Rev. Dr. Fernando Bortoletto Filho, IPI (Igreja Presbiteriana Independente) com o tema: “O Justo viverá pela Fé”, uma reflexão bíblica a partir de Rm 1,17. Tivemos também uma noite Cultural com apresentações de artistas voluntários que tocaram Sanfona, Violoncelo, Trombone, bem como de uma apresentação teatral.

Na avaliação do padre José Bizon, o evento foi muito positivo e, mais uma vez, a troca de experiências proporcionou um encontro celebrativo, dinâmico e o feedback foi muito positivo entre participantes e conferencistas. “A convivência e partilha entre os grupos têm sido o foco de destaque na avaliação dos regionais, o que contribui para uma unidade e conhecimento mútuo de fato.”, concluiu.

“O diálogo inter-religioso deve ser levado em frente com prioridade pela Igreja.” – Entrevista com o padre José Bizon

O coordenador estadual da Comissão para o Ecumenismo e o Diálogo inter-religioso do Regional Sul 1 da CNBB e anfitrião do evento, padre José Bizon, concedeu uma entrevista nesta terça-feira, 18, sobre o 9º Sulão e o 22º Encontro Ecumênico, concluído no último domingo. Ao fazer balanço do encontro, padre Bizon enfatizou que o diálogo inter-religioso deve ser levado em frente com prioridade pela Igreja.

Qual avaliação o senhor faz do Encontro Ecumênico deste ano?

O encontro foi muito positivo, pela presença de pessoas de diferentes lugares, e de várias arquidioceses e dioceses do Regional Sul 1, o local proporcionou excelente convivência e as Conferências contribuíram muito para o êxito e realização deste encontro, além dos momentos celebrativos e a noite cultural com músicas de qualidade que proporcionaram uma boa convivência dos encontristas.

O evento superou as expectativas?

Mais que superou as expectativas, nos despertou muitos desafios que ainda temos pela frente a serem superados, tais como a presença de mais jovens, a participação e muitas e outras denominações cristãs, a presença das equipes de diálogo dos regionais e das Arqui/dioceses. Isso para mim é sinal de abertura e de que o trabalho deve ser levado em frente com prioridade pela Igreja.

De que forma os Regionais contribuíram para  Reconciliação e Unidade?

Creio que a contribuição de cada um dos Regionais é o que está acontecendo in loco, de acordo com a sua realidade de diálogo ecumênico e inter-religioso, são pequenos grupos e ações concretas em favor da Reconciliação e da Unidade.

Na sua opinião, qual foi o grande momento do encontro?

Para mim sem dúvidas foi a reflexão sobre os 500 anos da Reforma do Cristianismo e de ver quantos simpósios, encontros, semanas de estudos em diferentes níveis estão acontecendo com essa temática.

Leita também “Sabendo utilizar bem as redes sociais é possível contribuir com a paz entre as religiões”, entrevista com uma das palestrantes do Encontro,  a jornalista Cristina Angelini.

Com informações Casa da Reconciliação

 

Tags

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.