Artigos

Reavivar a esperança dos pobres

O número de pobres cresce rapidamente no Brasil atual; o número de apostadores em loteria, também. Se a conquista de condições dignas de vida pelo trabalho decente, é difícil, muitos optam pela “sorte”. Poucos escapam à tentação de fazer uma “fezinha”. Há os que só querem “dar um jeitinho na vida”, como, também, os obsessivos em ser “milionários”. Na realidade, grande parte nutre a ilusão de soluções mágicas, finalmente, individualistas.

Enquanto os problemas sociais crescem, muitos pensam que suas soluções dependem de cada um, sem ações coletivas. O Estado, governado por neoliberais, reduz investimentos sociais, “lavando cada vez mais suas mãos”. A carga tributária que pesa sempre mais nos ombros dos cidadãos de baixa renda, bem como dos pequenos e médios empreendedores, se converte mais em pagamento da dívida pública do que em desenvolvimento social e econômico.

A situação social do Brasil é “explosiva”, tanto quanto de outros países da América Latina e do Caribe, cujas manifestações populares maciças, nas últimas semanas, estão surpreendendo o mundo. Se o Brasil continuar na lógica da concentração de riquezas para quem já tem muito, degradando-se socialmente, não teremos surpresas. O risco de convulsão social neste país, que tem aversão à pobreza, mas, também, medo dos pobres, é iminente.

Muitos temem a possibilidade dos empobrecidos desta terra recusarem o “lixo” no qual estão sendo jogados. Aliás, o medo aos pobres se tornou tão evidente, que se lhe atribui, agora, um conceito. Trata-se de “aporofobia”. Esse termo foi criado por Adela Cortina, catedrática de Ética e Filosofia Política da Universidade de Valência, Espanha. Ela o explica em seu livro, publicado em 2017, “Aporofobia, a rejeição ao pobre: um desafio para a democracia”.

A professora Adela criou esse termo ao notar que imigrantes com qualificação profissional e intelectual, bem como investidores estrangeiros, são sempre “bem-vindos”, e que imigrantes pobres são discriminados. A xenofobia, que é aversão a estrangeiros, embora se mostre como uma questão étnica, demonstra uma criminosa discriminação social, que ela conceitua pela junção dos termos gregos áporos e fobia, correspondentes a pobre e medo.

Amós, exímio representante da profecia bíblica, oito séculos antes de Cristo, já denunciava os crimes cometidos pelos que “pisam, sobre o pó da terra, a cabeça dos pobres” (Am 2,7). Cristo, muito além de sua compaixão para com os pobres, se mostra presente neles. Ele próprio, conforme o capítulo 25 do Evangelho segundo Mateus, sobre o juízo final, apresenta a solidariedade frente à condição de pobreza como uma condição fundamental para a salvação.

A salvação é dádiva de Deus a ser, pois, correspondida na forma de misericórdia. Ser misericordioso significa ter um coração sensível a quem vive na miséria; em decorrência, comprometer-se corajosamente com a justiça de Deus e seu Reino (cf. Mt 6,33), o que implica construir relações sociais solidárias. A solidariedade é um dos princípios fundamentais da Doutrina Social da Igreja, a ser sempre melhor conhecida, valorizada e colocada em prática.

A Jornada Mundial dos Pobres, lançada pelo Papa Francisco, em 2016, no Ano Santo da Misericórdia, a ser realizada este ano, no dia 17 de novembro, culmina a Semana da Solidariedade, promovida pela Igreja no Brasil, com o objetivo de “evidenciar e fomentar a cultura da solidariedade em prol das pessoas em situação de exclusão social”. Participemos ativamente nessa Semana da Solidariedade, reavivando por meio dela a esperança dos pobres.

Jales, 31 de outubro de 2019.

Dom Reginaldo Andrietta, Bispo Diocesano de Jales

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.