Comissões Episcopais Pastorais Coronavírus Pandemia Últimas

Pastoral do Surdo em tempos de distanciamento social

A Pastoral do Surdo no Regional Sul 1 tem a grata e importante missão de evangelizar e catequizar as pessoas com deficiência auditiva. Em todo o Brasil, de acordo com dados do Censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), há 9,7 milhões (5,1% da população do país) de pessoas com algum grau de deficiência auditiva, no Estado de São Paulo esse grupo chega a 1,9 milhão.

Dentre as atividades dessa pastoral, destaca-se a tradução e interpretação, por meio da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS), de celebrações eucarísticas, para que esses irmãos e irmãs sejam fortalecidos para o seguimento de Jesus Cristo e testemunho da fé. O serviço também é oferecido em encontros de cunho religiosos e social da tradição católica. É um trabalho primordial para a inclusão dessa parcela da população nas atividades sacramentais e de formação das comunidades eclesiais missionárias.

Geralmente a Pastoral do Surdo no âmbito regional inicia suas atividades participando da Assembleia Nacional da Pastoral do Surdo, no mês de janeiro. Em 2020, seus representantes estiveram em Belém do Pará, onde foi realizado o relevante evento para os seus trabalhos, com o tema: “Batizados e enviados” e o lema: “Ide e fazei discípulos entre nações” (Mt 28,19).

Logo após, com a chegada da pandemia, a pastoral procurou atender o surdo em sua integridade espiritual, afetiva e humana, por meio das Redes Sociais e Lives de formação, com testemunhos de leigos e do padre surdo Wilson Czaia, da diocese de Curitiba (PR); um dos temas tratados foi a Doutrina Social da Igreja. Durante a Semana Santa a via-sacra foi dramatizada em Libras, com as cenas do Evangelho contextualizadas na realidade atual.

A preocupação com a realidade socioeconômica também integra a Pastoral do Surdo. Nesse sentido, foram atendidas pessoas surdas economicamente vulneráveis, e suas famílias; inclusive houve um belo gesto de cooperação na busca de uma adolescente desaparecida, filha de pais surdos. Outro serviço prestado aos atendidos, oportuno pela pandemia, foi o fornecimento de informações e esclarecimentos sobre realidades como: Conoravírus, distanciamento, isolamento social, Lockdown e as formas de contágio.

Nas diversas dioceses, a Pastoral do Surdo atua em preparações ao batismo, ao casamento, à liturgia, e nos vários grupos paroquiais.

Em virtude das medidas restritivas pelo perigo de contágio do COVID-19, foram adiados todos os encontros e formações presencias, até mesmo a tradicional Romaria Nacional dos Surdos ao Santuário de Aparecida.

Silêncio: uma oração – Em meio à pandemia do novo coronavírus, a Pastoral do Surdo se mobilizou na internet para homenagear os profissionais da saúde, as vítimas e as famílias de luto pela Covid-19, com a campanha “olhar na janela e com as mãos no coração”. Nas redes sociais, circularam registros de várias dioceses do estado de São Paulo. “Enquanto estamos protegidos em casa, os profissionais da saúde estão enfrentando essa crise. Vamos mostrar nossa gratidão a todas essas pessoas e nossa solidariedade a vítimas e a famílias de luto pela Covid-19, com olhar das nossas janelas e com as mãos no coração, sinal de nossa oração à eles.

Os relatos foram fornecidos pelo Sandro de Jesus Martins, e por Maria Inês Leandro, integrantes da coordenação estadual da Pastoral do Surdo.

Palavra do Presidente

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.