Artigos Coronavírus Especial

Páscoa: da morte para a vida

“Graças se rendam a Deus,
que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo!”
(1Cor 15,57)

 

Irmãos e irmãs!

Para viver o Mistério de Jesus, o Cristo, por sua paixão, morte e ressurreição, preparou-nos a Quaresma, fazendo-nos mergulhar no projeto amoroso do Pai, projeto de vida e libertação, levado por ele às últimas consequências – a Cruz, que nos salvou do pecado e de todo mal que ameaça a nossa vida, a vida dos irmãos e a vida do nosso planeta.

O momento presente, marcado pela pandemia do corona vírus, motivou-nos a viver a Quaresma, passando da prática habitual do jejum, oração, esmola e outros exercícios espirituais como a Via Sacra, para uma atitude de consternamento, não apenas em relação a Jesus em seu sofrimento, mas à humanidade inteira, afligida por um mal, que põe em risco a vida de todos, sobretudo os idosos e portadores de alguma doença grave, ricos e pobres, sábios e ignorantes, forte e fracos.

Diante do desconhecido, passando por nós como um “anjo exterminador”, ameaçando a vida, fomos submetidos ao distanciamento social, para preservar e nossa vida e a de nossos irmãos. Distanciamento que, não significando isolamento do mundo e dos acontecimentos, levou-nos à comunhão e à compaixão, exigindo nesse tempo, uma reflexão e, mais do que isso, a escuta do que esse flagelo assustador está a nos ensinar. De tantas respostas possíveis, algumas nos parecem lógicas: recuperar a centralidade da pessoa humana, imagem e semelhança de Deus; apostar na economia da partilha dos bens, com uma economia sustentável, não submetida ao consumismo devastador e devorador de vidas e, acreditar na comunhão dos humanos entre si, com a natureza e com o seu criador.

Só a busca de Deus como absoluto e Senhor de todas as coisas, o despojamento, a humildade e a serviçalidade, reúnem as condições para um mundo novo, aquele sonhado pelo criador desde toda a eternidade. Não imaginávamos que o tema e o lema da Campanha da Fraternidade deste ano se tornassem um apelo vital: VER – SENTIR COMPAIXÃO – CUIDAR… afinal, muitos irmãos e irmãs, de longe e de perto tiveram suas vidas afetadas e ceifadas. É inegável que a compaixão, que está superando todas as barreiras, de raça e de religião, está movendo o mundo. Permanece o apelo do cuidado com a vida.

Terminamos a Quaresma e entramos na Semana Santa com os templos fechados. Uma angústia perceptível foi tomando conta dos nossos corações. Como celebrar o Tríduo Pascoal se a Igreja, constituída em assembleia é o eloquente sinal da presença do Senhor, crucificado e ressuscitado. No hoje de nossa fé, sem podermos constituir nossas assembleias litúrgicas habituais, como não termos presente aquela assembleia descrita no livro do Apocalipse: “Eis a tenda de Deus com os homens. Ele habitará com eles; eles serão o seu povo, e ele, Deus-com-eles, será o seu Deus. Ele enxugará toda lágrima dos seus olhos, pois nunca mais haverá morte, nem luto, nem clamor, e nem dor haverá mais. Sim! As coisas antigas se foram!” (Ap 21, 3 – 4).

Esta é a assembleia “silenciosamente”, constituída por “homens e mulheres de toda tribo, língua, povo e nação” (cf. Ap 5, 9), assembleia orante, adorante e confiante. Eis a nossa Páscoa, a nossa Eucaristia, a nossa comunhão com todos os sofredores, especialmente as vítimas desta chaga impressa em nossas vidas pelo corona vírus.

As mãos generosas dos (as) agentes de saúde, médicos (as), enfermeiros (as) e de todos os que são capazes de assistir e consolar em tempos de angústia e sofrimento, prolongam as mãos do Crucificado – Ressuscitado.

Eis a nossa Páscoa. Páscoa feliz porque o vencedor da morte está conosco: “Eis que estrei convosco todos os dias, até o fim do mundo” (Mt 28, 20).

Dom Sérgio Aparecido Colombo
Bispo Diocesano de Bragança Paulista

 

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.