Com a palavra o Presidente

Outubro missionário

Estamos em pleno mês de outubro, “mês das missões” para a Igreja. Muitas iniciativas, por toda parte, recordam-nos que somos um povo missionário, chamado a viver “em estado permanente de missão”.

O papa Francisco, no final da Jornada Mundial da Juventude do Rio, enviou os jovens para serem missionários do Evangelho no meio do mundo. “Ide, sem medo, para servir!”, foi com essas três palavras que fez o envio de mais de 3 milhões de missionários para os quatro cantos do mundo.

O cristão, discípulo de Jesus Cristo, não pode perder de vista o mandato missionário feito por Jesus na origem da Igreja: “Ide, pregai o Evangelho a toda criatura” (cf. Mc 16,15). Essa ordem de Cristo não cessou de valer, nem pode ser ignorada: somos um “povo em missão”. Temos uma boa notícia para anunciar a todos; muitos ainda não a conhecem e também têm o direito de se alegrar com a “Boa Nova da salvação”.

A vida do cristão é uma constante resposta a esse “ide”, de Jesus, que também prometeu: “Eu estarei convosco todos os dias, até o fim dos tempos” (cf. Mt 28,20). E o Papa encorajou os jovens: “Ide, sem medo!” Sim, apesar de a Mensagem ser bela e de grande esperança, ela é também desafiadora e chama à conversão.

Ela vai muitas vezes contra a lógica e as tendências dominantes do ambiente circunstante. Por isso, os discípulos missionários podem ser tentados de medo e de desânimo, sobretudo diante das cruzes, renúncias e martírios a que estão expostos. A superação do medo vem da certeza de que ele os acompanha e também já passou por isso: “O Reino de Deus sofre violência e só os corajosos o alcançam” (cf. Mt 11,12).

O medo pode tomar jeito de respeito humano, acomodação ou desânimo. A vida cristã sem brilho e ardor é como fogueira apagada, que não atrai nem comunica mais calor; pior que isso, tende a virar apenas cinza… A Igreja missionária precisa recobrar o ardor da fé e a chama da esperança; foi assim que os santos e os mártires tornaram- se os maiores missionários, que continuam a atrair para Jesus Cristo mesmo depois de terem deixado este mundo. O “medo” leva a desprezar e ocultar o dom recebido; foi isso que fez o “servo mau e preguiçoso” do Evangelho; ao responder ao seu senhor que lhe pedia contas da moeda emprestada, ele alegou: “Tive medo do senhor e escondi na terra o talento que me confiaste” (cf. Mt 25, 25-26).

O anúncio do Evangelho do Reino de Deus é um grande serviço prestado ao próximo, quer considerado individualmente, quer comunitariamente. O serviço ao próximo lembra o que fez Jesus: “Veio para servir, e não para ser servido” (cf. Mt 20,28). Há muitos modos de se colocar a serviço do próximo. O anúncio claro do Evangelho é um serviço inestimável aos outros; quem acende uma luz e ilumina o caminho da sociedade com a sabedoria da Palavra de Deus está oferecendo a coisa mais importante do mundo.

Neste mês missionário, no qual também recordamos Nossa Senhora do Rosário, aprendamos dela a nos colocar a serviço de todos. Ela, sem medo, disse: “Eis-me aqui, eu sou a serva do Senhor” (cf. Lc 1,38). Em sua disposição para acolher, sem medo, o convite para servir a Deus e a humanidade, ela deu ao mundo o Salvador… Nossa Senhora interceda pela Igreja missionária!

Artigo publicado no Jornal O São Paulo, Ed. 2973 – 8 a 14 de outubro de 2013

Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo e Presidente do Regional Sul 1 da CNBB

@DomOdiloScherer

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.