Artigos

O erro de São Francisco Xavier

Imagem | Site da Arquidiocese de Sorocaba

São Francisco Xavier cometeu um grande erro de evangelização. Ao desembarcar no Japão em 15 de agosto de 1549, não havia dicionário algum de japonês para nenhuma língua europeia. Mesmo assim, o grande missionário basco iniciou a pregação do Evangelho falando sobre “Dai Nichi”. Ele pensava que essa palavra fosse a tradução para o japonês do “Deus Todo-poderoso” das Escrituras. Mais tarde ele descobriu, para a sua vergonha, que cometera um grave erro, pois “Dai Nichi” designava uma das manifestações de Buda. Esse grave erro não impediu, porém, que a fé cristã lançasse raízes entre os japoneses. Com efeito, a fé não é uma doutrina a ser ensinada, é antes um dom recebido pelos que se deixam encontrar por Jesus.

Os cristãos japoneses tiveram que enfrentar uma duríssima perseguição. Menos de 50 anos após o início da evangelização, os cristãos colhiam os primeiros mártires: São Paulo Miki e seus companheiros (1597). Em 1641, a proibição do cristianismo se tornou ainda mais dura. Grandes recompensas foram oferecidas aos que davam informações que levassem à captura de sacerdotes e catequistas. Por aproximadamente 250 anos, os cristãos viveram a fé cristã sem padres, sem imagens de santos, sem eucaristia. A comunidade cristã nomeou então a “Pessoa da água” para batizar, a “Pessoa do calendário” para lembrar as datas do advento, natal, quaresma, páscoa, etc., e o “Chokata” ou “Cabeça” para ser o chefe da comunidade cristã.

Até 1858, ano em que o Japão foi obrigado a se abrir para o mundo ocidental, os cristãos japoneses enfrentaram uma perseguição feroz que não se abrandou.

No dia 17 de março de 1865, depois de um ano da conclusão da igreja de Oura, o padre Petijean recebeu um grupo de mulheres disfarçadas de pescadoras. Vinham com medo e entraram na igreja ocultamente, pois o cristianismo era ainda absolutamente proibido aos japoneses. Uma delas, a sra. Yuri, perguntou ao padre: “Onde está a imagem de Santa Maria?” Ele as levou ao altar lateral e as mulheres exclamaram: “É ela! É ela!”. Havia na voz daquelas mulheres um alívio de séculos de espera.

Pense um pouco antes de continuar a leitura: aquelas mulheres nunca tinham visto uma imagem de Nossa Senhora! Nem a mãe delas! Nem a avó delas! Tampouco a bisavó delas! Somente a decavó tinha visto uma imagem de Nossa Senhora! Se considerarmos que uma geração dura aproximadamente 25 anos, constataremos que os cristãos japoneses conservaram e transmitiram integralmente a fé por 10 gerações.

Uma das mulheres ainda reconheceu nos braços de Maria o menino “Zezus”. O sacerdote reconheceu de quem elas falavam, mas para se certificar fez algumas perguntas básicas de catecismo e todas foram respondidas corretamente.

O padre então se disfarçou de agricultor e, mesmo correndo muitos riscos para si e para os cristãos japoneses, foi ao encontro da comunidade e celebrou a missa num estábulo revestido com palha de arroz para proteger seus pés do esterco. Foram 10 gerações que viveram sem sacerdotes, sem imagens religiosas e sem eucaristia. Muitos foram os que morreram sem nunca ter recebido a comunhão eucarística nem tiveram o consolo de receber o perdão de Deus pelo sacramento. Os cristãos japoneses esperaram a eucaristia por 250 anos.

Atualmente muitos católicos do mundo todo vivem uma experiência semelhante: esperam a eucaristia, esperam a confissão, esperam poder celebrar os sagrados mistérios em comunidade. Creio que essa experiência de ter que esperar a eucaristia deva também nos chamar a atenção para tantos outros cristãos que por causa da perseguição religiosa são proibidos de manifestar publicamente a sua fé em Jesus Cristo ou que, por falta de padres, não podem celebrar a eucaristia com frequência.

A nossa espera pela eucaristia não durará 25 décadas, mas podemos aproveitar esse tempo de privação como uma longa e amorosa preparação para o Amado da alma.

Por Dom Julio Endi Akamine, SAC, Arcebispo de Sorocaba. Ele também é Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para Ação Social Transformadora do Regional Sul 1 da CNBB. 

 

 

 

 

 

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.