Notícias

Missa marca 25 anos da Diocese de São Miguel Paulista

10339572_848799491815223_1270174074042740851_n
25 anos evangelizando e sendo evangelizada

A Diocese de São Miguel Paulista (SP)  celebrou no domingo, dia 25, missa em ação de graças pelos 25 anos de sua criação. A missa, celebrada na Catedral de São Miguel, foi presidida pelo bispo, Dom Manuel Parrado Carral e concelebrada pelo seu primeiro bispo dom Fernando Legal e de seu antigo auxiliar dom José Maria Libório Camino Saracho. A celebração contou com a participação de grande número de fiéis e padres.

Em sua homilia, Dom Manuel ressaltou a caminhada histórica desses 25 anos da Diocese e lembrou que muito ainda temos que caminhar para cumprir nossa missão. “Desafios sempre teremos e procurando as soluções nos valores do Reino de Deus, enfrentaremos os problemas com a certeza de que o próprio Deus ilumina nossas decisões”, disse.

Para o bispo diocesano, “o jubileu da Diocese tem de fato como marca a característica de gratidão, de hino de louvor, de agradecimento a Deus e a todos que colaboraram para chegarmos até aqui. O tempo vai continuar a correr e enquanto for passando irá marcando nossa Diocese com características próprias que lhe darão identidade. Somos muito jovens e estamos construindo o rosto da Diocese”, ressalta Dom Manuel.

Dados históricos da Região Episcopal e a criação da Diocese

No dia 9 de maio de 1976, D. Angélico Sândalo Bernardino, assume, como Bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo, a Região Episcopal Leste II.  Foi época de grandes transformações, de muitas dificuldades e de busca de uma “evangelização profunda”, como retrata o Livro do Tombo da Catedral de São Miguel Arcanjo. A região leste, aos poucos, foi ocupando, sob o pastoreio de D. Angélico, lugar de destaque na Arquidiocese de São Paulo, no que diz respeito à mobilização de pessoas para o engajamento pastoral e à respectiva criação de organismos de sustentação para as novas pastorais, entre elas, da Terra e Moradia, da Saúde, da Liturgia, dos Ministérios.

A diocese de São Miguel Paulista foi criada pelo Papa João Paulo II, em 15 de março de 1989, com território desmembrado integralmente da Arquidiocese de São Paulo. A instalação da Diocese e posse de seu primeiro bispo diocesano, Dom Fernando Legal, SDB, aconteceram no dia 28 de maio de 1989.  De 1999 a 2002, Dom José Maria Libório Camino Saracho, foi bispo-auxiliar da Diocese de São Miguel Paulista.

Dom Fernando pastoreou a Diocese de São Miguel Paulista até o dia 02 de março de 2008 quando tomou posse o segundo bispo diocesano Dom Manuel Parrado Carral.

Situada no extremo leste da cidade de São Paulo, a Diocese limita-se com a Arquidiocese de São Paulo e as Dioceses de Guarulhos e de Mogi das Cruzes. Dentre os diversos bairros que formam a Diocese de São Miguel Paulista dois merecem ser mencionados mais detalhadamente, pela importância que têm na história do município de São Paulo: São Miguel Paulista e Penha de França.

Na íntegra a Homilia de Dom Manuel Parrado Carral por ocasião da Celebração do Jubileu de Prata de sua criação

Sim, para sempre seja louvado o Senhor Jesus Cristo que nesta tarde nos dá a oportunidade de, reunidos em seu amor, celebrar os 25 anos de caminhada de nossa Diocese.

2014-05_Catedral4A Região Episcopal de São Miguel pertencente à Arquidiocese de São Paulo, foi elevada a Diocese em 15 de março de 1989 e foi oficialmente instalada a 28 de maio do mesmo ano.

Ao completar 25 anos, queremos fazer memória da caminhada que fizemos, impulsionados pelo Espírito Santo e amparados pelo esforço e abnegação, pelo sacrifício e desprendimento, pela persistência, esperança e fé dos nossos padres e dos fiéis cristãos, cientes de terem sido acompanhados, orientados e guiados pela misericordiosa presença de Deus.

A Palavra de Deus, que escutamos na primeira leitura retirada do livro dos Atos dos Apóstolos, aponta-nos uma atitude capaz de revelar a razão de nossa persistência em nos mantermos firmes na missão: “Todos eles perseveravam unidos na oração”. Rezamos com a vida, com a história, com o trabalho, com o coração e com a liturgia que nos leva à intimidade com Deus. Se muito temos a pedir, muito mais temos a agradecer. Por isso nos unimos nesta celebração para que a nossa gratidão seja um hino de louvor a Deus nosso Senhor.

Sob a proteção de nosso padroeiro, São Miguel Arcanjo, e de Nossa Senhora da Penha, vários momentos significativos aconteceram na história da Diocese de São Miguel Paulista. Em busca da unidade e da comunhão à qual fomos chamados por Deus em Jesus Cristo, já elaboramos e procuramos aplicar 5 planos de pastoral. Estamos em processo de construção do 6º plano de pastoral que quer nos orientar na evangelização. Procuramos nos inspirar no apelo do Papa Francisco para que a nossa ação evangelizadora seja alegre: alegre para o mundo e alegre para nós.

Queremos e devemos ser para a humanidade um motivo de esperança irradiada a partir do anúncio da boa notícia, Jesus Cristo, que veio para que todos tenham vida e vida em abundância. Críticos na análise das estruturas de injustiça, que perpetuam as dores e o sofrimento do povo desassistido, desesperançado, sem condições de vida digna, procuramos ser construtores do reino de Deus testemunhando nossa pertença à comunidade do crucificado e ressuscitado que faz da nossa esperança uma luz para iluminar o caminho.

Durante este tempo de caminhada que fizemos, as presenças de Dom Angélico, de Dom Fernando Legal, primeiro bispo diocesano, e seu auxiliar Dom José Maria marcaram a história da nossa Diocese.

E, com certeza, há neles o júbilo e a alegria de termos chegado a este Jubileu de Prata. O jubileu tem de fato como marca a característica de gratidão, de hino de louvor, de agradecimento a Deus e a todos que colaboraram para chegarmos até aqui.

O tempo vai continuar a correr e enquanto for passando irá marcando nossa Diocese com características próprias que lhe darão identidade. Somos muito jovens e estamos construindo o rosto da Diocese.

A identidade de nossa Diocese se expressa no rosto dos cristãos cheios de fé e esperança que vivem no extremo leste desta cidade, mas também, no rosto de todo homem e mulher, criança, jovem, adulto e idoso, e de cada ser humano que é excluído, que está banido ou não tem acesso aos bens necessários para viver com dignidade ou não tem seus direitos respeitados. Nesta realidade deve estar estampado o rosto do Cristo Vivo e Ressuscitado mas também o rosto do Cristo sofredor e crucificado que continua bradando seu grito na Cruz: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes”.

Fomos chamados a servir este povo vivendo a comunhão, que exige despojamento, humildade e coração sincero para acolher as mais diversas expressões de vida comunitária, presentes na atuação das comunidades que temos em nossa igreja, e que devem se relacionar com outras tantas manifestações na realidade a ser evangelizada.

Ser sinal, ser “sal da terra e luz do mundo”, evangelizar pelo testemunho fiel, constante e alegre, viver a autenticidade da fé e ser coerente com a missão a nós confiada, eis um grande desafio para todos nós que formamos essa grande Diocese. O salmo que hoje rezamos nos alertou: “Sei que verei os benefícios do Senhor na terra dos vivos! Espera no Senhor e sê forte! Fortifique-se o teu coração e espera no Senhor!”

Muito ainda temos que caminhar na história para cumprir nossa missão. Mas todos nós queremos fazer a nossa parte e da melhor forma possível. Não queremos passar em branco na história e não registrar nosso entusiasmo, nossa confiança e nossa opção por Jesus Cristo. Desafios sempre teremos e procurando as soluções nos valores do Reino de Deus, enfrentaremos os problemas com a certeza de que o próprio Deus ilumina nossas decisões.

Maria, mãe de Jesus Cristo, mãe da Igreja, nossa mãe e intercessora, continuará presente em nossa caminhada nos abençoando do alto da colina da Penha. São Miguel, nosso padroeiro, arcanjo valente e lutador, nos inspirará coragem para irmos firmes à luta. A Trindade Santa nos manterá unidos no seu exemplo de comunhão trinitária.

Mais uma vez eu vos digo: Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo.

Dom Manuel Parrado Carral. Catedral de São Miguel Arcanjo – 25 de maio de 2014.

10380996_848799485148557_2602148088891053482_n

 2014-05_Catedral3

Do Regional, com informações do site da Diocese de São Miguel Paulista.  Fotos Alexandre Galvão.

Tags

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.