Notícias

Entrevista: Cardeal Scherer fala de questões debatidas a Assembleia extraordinária.

sinodoCardeal Scherer: Não há ainda um documento final ou decisões do Sínodo

De Roma, onde participa da 3ª Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos, sobre os desafios da família no âmbito da evangelização, o Cardeal Odilo Pedro Scherer – que é membro do Conselho do Sínodo – falou com exclusividade ao O SÃO PAULO sobre questões delicadas debatidas pelos padres sinodais na primeira semana de trabalhos. Com a divulgação do Relatório que compila esses debates, as reações e repercussões em relação ao texto deram a impressão de que se trataria já de uma decisão final do Sínodo. Dom Odilo esclarece que o texto é apenas uma síntese e ainda deverá ser trabalhado ao longo desta semana. “Portanto, não se tratou ainda de um ‘documento’ final do Sínodo, nem de ‘decisões’ do Sínodo”, enfatizou.

O SÃO PAULO – O relatório apresentado no dia 13 de outubro já é uma palavra final do Sínodo? Do que se trata?

Cardeal Odilo Pedro Scherer – O Relatório apresentado no dia 13 de outubro pelo Cardeal Peter Erdö, de Budapeste, relator do Sínodo, foi uma síntese das mais de 200 reflexões apresentadas pelos participantes no plenário do Sínodo ao longo da primeira semana de trabalhos. O relator, ajudado pelo secretário especial do Sínodo, tentou reproduzir um resumo orgânico das muitas posições que foram aparecendo. Nos trabalhos desta semana, os diversos grupos menores estão propondo novas contribuições e ajustes, aperfeiçoando o texto do Relatório, que deverá ser votado antes da conclusão dos trabalhos desta assembleia do Sínodo. Portanto, não se tratou ainda de um “documento” final do Sínodo, nem de “decisões” do Sínodo.

O relatório afirma que, sem negar as problemáticas morais decorrentes das uniões entre pessoas do mesmo sexo, em alguns casos a relação de apoio mútuo é benéfica aos parceiros. Isso foi interpretado pela mídia como a primeira vez que a Igreja estaria reconhecendo algum valor nas uniões homoafetivas. Como foram os debates sobre esse assunto?

O tema das uniões civis de pessoas do mesmo sexo estava previsto no instrumento de trabalho, anterior ao Sínodo e, portanto, também foi abordado em algumas reflexões apresentadas na assembleia. A avaliação da Igreja em relação às uniões homossexuais não mudou, o que também fica claro no mesmo Relatório apresentado, mas isso não impede de reconhecer que haja coisas boas nas pessoas homossexuais. A reflexão do Sínodo sobre esses casos foram orientadas pela preocupação de acolher essas pessoas na Igreja e de ajudá-las, de maneira, para que também possam receber o Evangelho de Cristo e vivê-lo, como é proposto a todos. Mais uma vez, o Sínodo afirmou o que já é conhecido: essas pessoas não estão excluídas da Igreja, mas são convidadas a acolher o Evangelho e a vivê-lo de maneira fiel, como todas as demais.

Que rumo tiveram os debates do Sínodo sobre a sagrada comunhão a ser dada a pessoas divorciadas e casadas novamente no civil?

Evidentemente, essa questão esteve bem presente nas reflexões da assembleia sinodal; as tendências manifestadas foram, sobretudo, três: a) manter a atual posição, no sentido de não dar a santa comunhão e, para isso, foram apresentadas várias justificações teológicas relevantes; b) abrir a possibilidade do acesso à santa comunhão em casos determinados e em situações bem consideradas; para isso foram apresentadas várias razões pastorais importantes; c) agilizar mais o atendimento, nos tribunais eclesiásticos, de eventuais situações de nulidade matrimonial, para que muitos casais possam regularizar a sua situação canônica e receber os sacramentos. Em todo caso, há um desejo forte do Sínodo de ajudar da melhor forma possível os casais que vivem essa situação, para que possam participar de maneira mais plena da vida da Igreja. A solução, porém, não deverá ser resolvida por um simples “pode” ou “não pode”.

Quais outras grandes questões estão surgindo no Sínodo?

A tônica geral foi de apreço pelo casamento e a família, que fazem parte do Evangelho e cujo zelo a Igreja considera parte de sua missão evangelizadora e pastoral; notou-se a necessidade generalizada de retomar a evangelização no mundo da família; causou forte impressão a perda de apreço pelo casamento e a família, sobretudo no mundo ocidental; também tiveram a sensibilidade do Sínodo as situações de milhões de famílias que vivem os tormentos da guerra, das perseguições, da violência, da miséria, das migrações forçadas e tantos outros empecilhos a uma vida familiar serena. A tônica geral do Sínodo está sendo a da atenção samaritana da Igreja em relação às muitas situações de fragilidade e de sofrimento das famílias, junto com a valorização de tudo o que possa haver de bom e construtivo nas diversas situações e condições da família, apesar das insuficiências e precariedades em que vive. E o Papa Francisco, que acompanha a tudo com muita atenção, encorajou a todos a terem coragem, liberdade e franqueza para falar.

O Relatório deverá agora ser trabalhado nas Igrejas Particulares. Em São Paulo, o senhor já tem planos para fazer isso acontecer?

O texto final desta assembleia extraordinária do Sínodo ainda não será um “documento final”, mas será novamente remetido às Conferências Episcopais e às Dioceses, para que reflitam sobre ele e apresentem novas contribuições para as questões postas. O Papa Francisco quer que a Igreja faça um “caminho sinodal” e, assim, participe da busca de caminhos a serem feitos em comum (sínodo significa isso). Vamos aguardar que o próprio Sínodo e o Papa Francisco deem as orientações para esse trabalho, que agora vai prosseguir em vista da 15ª Assembleia Ordinária do Sínodo, em outubro de 2015; esta deverá ter ainda o mesmo tema da família, mas com enfoques novos: “a vocação e a missão da família no mundo contemporâneo”.

Por Rafael Alberto.Em entrevista exclusiva a O SÃO PAULO. créditos da foto: Site da Arquidiocese de São Paulo

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.