Ações Missionárias Destaques

Dom Luiz Fernando: “um apelo à oração e à solidariedade”

Foto da Diocese de Pemba

O Bispo da Diocese de Pemba, Dom Luiz Fernando Lisboa descreve a situação difícil em Cabo Delgado, pede a todos que rezem por eles e promovam ações de solidariedade para ajudar o povo que ele pastoreia.

O Regional Sul 1 da CNBB que abrange as dioceses do Estado de São Paulo, há três anos tem mantido um projeto missionário com a Diocese de Pemba, situada ao norte de Moçambique, na província de Cabo Delgado, na África. No entanto, há pouco mais de dois anos, um grupo armado vem gerando pânico com ataques à população desprotegida.

O Cardeal, Dom Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, após visitar em nome do Regional a Província de Cabo Delgado, em agosto do ano passado, especialmente alguns locais de missão mantidos por este Regional, constatou em meio a um povo alegre, que luta com fé contra as adversidades, os sinais das ações desses grupos armados.

Um sinal de como a situação se agrava é a menção da crise em Cabo Delgado, território da Diocese de Pemba pelo Papa Francisco, por ocasião da bênção Urbi et Orbi no domingo de Páscoa desse ano:

“Que o Senhor da vida se mostre próximo às populações da Ásia e da África que estão atravessando graves crises humanitárias, como na Região de Cabo Delgado, no norte de Moçambique.”

A assessoria de imprensa do Regional Sul 1, conversou por telefone nesta segunda-feira (01/06)com Dom Luiz Fernando Lisboa, bispo brasileiro de Pemba, sobre os últimos acontecimentos e o clima de temor do momento.

Foto da Diocese de Pemba,

Inicialmente, Dom Luiz faz um apelo às Igrejas Particulares do Regional Sul 1, para rezarem pelo povo que pastoreia. Segundo ele: “Nós estamos a viver uma situação muito difícil na nossa Província de Cabo Delgado”.

Relatou ainda a gravidade de ações violentas iniciadas por volta de dois anos e meio atrás, com ataques armados esporádicos, em vilarejos da região norte da Província, aos poucos foram se intensificando e agora chegam às cidades maiores.

Ele diz que o perfil das ações desse grupo se assemelha a terrorismo, e introduziu o medo e o pânico na população, que sem defesa, foge ou morre. As estimativas apontam para cerca de 250 mil pessoas em migração atrás de refúgio. Pemba, a capital da Província, está com superlotação, e em belo gesto de solidariedade, as famílias vão acolhendo os parentes e conhecidos.

As instituições de assistência também acolhem muitas pessoas. Inclusive, Dom Luiz Fernando diz ter acolhido, na última semana, 35 crianças e jovens fugitivas, as quais aos poucos foram se encontrando na fuga em meio à mata e chegaram a Pemba.Algumas delas são provenientes de localidades que ficam cerca de 200 km de distância da Capital da Província, e não sabem se os pais sobreviveram aos ataques.

Como as ações violentas estão ocorrendo por toda parte, o bispo de Pemba solicitou aos missionários e missionárias retornarem à sede da Diocese.A medida se mostrou providencial, pois alguns lugares de atuação desses missionários sofreram ataques terroristas.

Diante disso, Dom Luiz Fernando finalizou seu depoimento com apelo à oração e à solidariedade: “precisamos em primeiro lugar de orações, mas também da solidariedade daqueles que puderem nos ajudar, pois com 250 mil desabrigados não há comida que chegue”. E agradeceu as (Arqui)Dioceses do Regional Sul 1 pelas manifestações fraternas em meio aos tristes acontecimentos em Cabo Delgado.

A solidariedade e comunhão com a Diocese de Pemba

O presidente do Regional Sul 1 da CNBB, Dom Pedro Luiz Stringhini, em carta enviada no dia 15/04/2020 , manifestou preocupação com a situação dos últimos meses em Cabo Delgado, e expressou solidariedade e comunhão com a Diocese de Pemba: “Dom Luiz Fernando e demais irmãos, estejam certos da nossa profunda solidariedade e comunhão com a Diocese de Pemba e seu sofrido povo.Continuamos acreditando que a esperança não decepciona. Contem com nossa oração e nossa afeição”, disse Dom Pedro.

Missionário relata drama vivido na aldeia em Nangade

O Regional também recebeu o relato de um dos missionários que atua no Projeto Missionário Regional Sul 1- Pemba, o Frei Boaventura dos Pobres de Jesus Cristo, pjc, do Instituto Fraternidade dos Pobres de Jesus “O Caminho”. Ele, e os membros de sua comunidade tiveram que deixar a aldeia na qual trabalhavam. E fala sobre a realidade vivida por aquele povo.

“Já é do conhecimento do Regional que nossa missão em Nangade acontece em meio a um ambiente de riscos e muitos desafios por se localizar em uma zona dos ataques armados e uma realidade de abandono e pobreza”.

E na sequência diz: “O medo e a instabilidade nossa e do povo é  constante e pelos últimos tempos de forma mais acentuada, pois centenas de pessoas no território de nossa paróquia e outras missões vê diariamente famílias e famílias se deslocando de um lugar para o outro a procura de um pouco de paz,e em muitos casos as famílias acabam divididas e perdidas no mato a procura de lugares seguros. Tudo isso gera imensos desafios que partem o coração de um missionário em ver o povo sem casa, sem comida, e à noite ter que buscar refúgio nas matas ou ficar sem saber para onde ir com o pouco que sobrou de seus pertences”.

O missionário ainda explicou que este momento coincide com o declarado estado de emergência do país que já dura 2 meses e a prevenção do Coronavírus (Covid-19). E a somatória desses acontecimentos gera perplexidade quanto ao futuro:

“Tendo acompanhado tal situação os ataques e as condições hoje de toda a região Norte têm sido de muito abandono e sofrimento ao nosso povo e por consequência chega até a nós missionários, pois não sabemos como no futuro as coisas vão ficar e conscientes de que isso nem tão cedo vai ter uma resposta de estabilidade.”

Em contexto de violência, desagregação social e crise sanitária, a Diocese de Pemba testemunha a fé, permanecendo unida ao seu povo, cuidando de suas necessidades mais imediatas e mantendo viva a esperança.

Dom Luiz Fernando e Frei Boaventura em celebração com o povo. Foto: Fraternidade

 

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.