Notícias

Dom Julio presente no lançamento da campanha no combate às mortes por acidente de trabalho

13064501_10206465160688049_6068755806304911502_oO Secretário da CNBB Regional Sul 1, dom Júlio Endi Akamine (foto), representando o cardeal arcebispo dom Odilo Pedro Scherer,  prestigiou, na manhã de ontem (28), no auditório da sede do episcoado paulista, a solenidade de lançamento da campanha no combate às mortes por acidente de trabalho

A Pastoral Operária do Regional Sul fez nesta quinta-feira, 28 de abril, as 10h,30 na sede da CNBB Regional Sul 1 o lançamento da Campanha “Acidentes de Trabalho – culpa da vítima?” O evento teve assessoria do engenheiro de Segurança do Trabalho e integrante da Pastoral Operária da diocese de Santo André, Gilmar Ortiz.

A Oração de abertura, com cânticos teve como inspiração Eclesiástico 34, 26: “Quem tira o pão do pobre é assassino do próximo”. Foram lembrados os mortos em acidentes de trabalho nos preparativos para a Copa do Mundo no Brasil, as Olimpíadas no Rio de Janeiro, o acidente da barragem de Mariana e outros.

“É necessário o profetismo no meio operário, é preciso anunciar o direito e a justiça e denunciar as injustiças”, disse Antonia Carrara, na Pastoral Operária na acolhida. “Há muita dificuldade em atualizar dados sobre acidentes de trabalhos por omissão das empresas e medo de denunciar por parte das vítimas”, completou. Eduardo Paludette, da Pastoral Operária de São Paulo falou do objetivo da plenária. “Estamos fazendo o lançamento dessa importante campanha no dia em que celebramos o Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes de Trabalho (28 de abril) com o objetivo de desmistificar o “ato inseguro”, usado pelas empresas e por parte da mídia para culpar a vítima pelo acidente de trabalho”, falou. “A Pastoral Operária, ao completar 45 anos de luta, quer assumir o compromisso de debater e propor ações para que essa mentira seja erradicada. A questão dos acidentes de trabalho é muito ampla, a Pastoral tomou este viés, do chamado ato inseguro, para levar à desmistificação”, completou.

O assessor, engenheiro Gilmar disse, por estudos realizados, que o número de doenças no trabalho e mortes por acidente de trabalho é 22% maior que os números oficiais da Previdência Social. “Acidentes no trabalho matam 53 pessoas por semana no Brasil”, disse. “Além do mito do ‘ato inseguro’, ainda convivemos com a falsa e às vezes especulativa maneira como a mídia divulga as notícias”. Gilmar citou um exemplo de título de uma reportagem sobre os acidentes de trabalho: “Imprudência é causa maior de acidentes de trabalho”. No corpo da matéria, o jornalista detalha, especifica as falhas da empresa: más condições de trabalho, excesso de horas trabalhadas, falta de formação profissional etc. O próprio título já induz o leitor a aceitar o acidente de trabalho como “ato inseguro”, isto é, culpa da vítima.

Após a palavra do assessor, foi aberto debate, com significativos testemunhos de luta e de profetismo nas empresas, Sindicalistas, cipeiros, metalúrgicos e trabalhadores radialistas e metroviários deram testemunhos. Foi sugerido ainda que o próximo evento tenha a participação de técnicos de seguranças e parceria com a Pastoral da Saúde. Em suas falas, os debatedores pediram maior participação da Igreja na defesa do trabalhador. “Precisamos de apoio nas paróquias, nas comunidades, junto aos sindicatos e grupos de apoio à causa da defesa do direito do trabalhador”, disseram. Cidinha e Geraldo, da direção da P.O. Estadual deram as informações sobre os contatos com a Pastoral e perspectivas de ações de Pastoral de Conjunto.

O evento contou com a participação de agentes da Pastoral Operária da Arquidiocese de São Paulo, das dioceses de São Miguel Paulista, Santo André, Osasco e Guarulhos, sindicalistas, professores, metroviários, domésticas e funcionários públicos. Dom Julio Endi Akamine, Bispo Auxiliar da Arquidiocese de São Paulo (Vigário Episcopal da Região Lapa) e secretário da CNBB Regional Sul 1, representou o cardeal arcebispo dom Odilo Pedro Scherer. O diácono José Carlos Pascoal representou dom João Inácio Muller, bispo de Lorena e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz e o Fórum das Pastorais Sociais do Regional Sul 1. A reunião final foi encerrada com meditação e bênção ministrada por Dom Júlio.

Dom Julio encerrou sua fala recordando a encíclica Laborem Exercens, sobre o trabalho, de São João Paulo II. “O Magistério social da Igreja defende o direito de ‘dispor de ambiente de trabalho e de processos de laboração que não causem dano à saúde física dos trabalhadores nem lesem a sua integridade moral'”. (Laborem exercens, 19).

13096305_10206463807494220_2844180210040972853_n
A mística marcou a abertura do lançamento da campanha

 

po
Durante o lançamento a PO. promoveu um debate sobre Acidentes de Trabalho

 

Com colaboração diácono José Carlos Pascoal, Fórum das Pastorais Sociais 

 

Tags

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.