Artigos

Deus Trindade

Celebrado o Pentecostes, no primeiro domingo que aparece pela frente a Igreja celebra a Santíssima Trindade.  É a festa que aguardamos, portanto, para o domingo que vem.

Com a vinda solene do Espírito em Pentecostes, Deus conclui a revelação do seu mistério. E a Igreja percebe que sua verdade se faz plena. Ela se detém, então, na contemplação deste mistério da Santíssima Trindade, que ultrapassa, sim, sua compreensão, mas que se mostra coerente, harmonioso e atraente.

Nossa melhor atitude diante do mistério de Deus é acolhê-lo, com fé, na forma como ele se revelou. Servindo-nos das palavras do próprio Evangelho, o caminho pelo qual Deus chegou até nós, e o caminho pelo qual nós podemos ir a ele, é o próprio Cristo, o Filho de Deus que assumiu nossa condição humana e assim revelou o rosto do próprio Deus.

Cristo é a porta, como ele mesmo falou. “Ninguém vai ao Pai, senão por mim!”.  “Quem me vê, vê o Pai!”.

Por outro lado, Jesus também afirmou: “ninguém vem a mim, se o Pai, que me enviou, não o atrair”.  Isto é, nós precisamos da graça de Deus para crer no próprio Deus, sobretudo para aceitar o mistério íntimo de sua vida, que ele quis nos revelar, para partilhá-lo conosco.

Pois esta é outra constatação importante: a revelação do mistério de Deus foi se dando na medida em que Deus ia operando nossa salvação. Ele se revelou Pai, para ser nosso Pai. Ele se revelou Filho, para ser nosso irmão. Ele se revelou Espírito Santo, para nos santificar. Deus não se mostrou simplesmente para dizer como ele é. Mas para nos integrar no seu próprio mistério. Foi “por nós homens e para nossa salvação”, como a Igreja afirma no seu credo, que Deus se revelou.

A Trindade é mistério de Deus, mas é verdade revelada para nós!

Por Dom Demétrio Valentini, Bispo de Jales

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.