Artigos

Cristianismo, Igreja e Democracia

A democracia é posta em relação quase exclusiva com a antiga Grécia, mas essa exclusividade ignora o fato de que nela a votação estava restrita a um quarto da população, os homens livres. Além disso, na democracia grega o ideal era colocado sobretudo no rei filósofo que podia conhecer o bem comum político melhor do que a massa cega. Por fim, a maioria dos filósofos e políticos gregos preferiam a monarquia ou a aristocracia.

O que entre os gregos era reservado a uma elite limitada foi radicalmente democratizado no cristianismo: a dignidade de toda pessoa humana independente de sua origem e nascimento. Foi com o cristianismo que a pessoa humana foi reconhecida como elemento fundamental da democracia. A dignidade humana se tornou assim o fundamento ético para a democratização da participação política.

A razão última da dignidade humana está radicada na relação que toda pessoa tem com Deus. Isso preserva o ser humano do domínio de qualquer sistema ou comunidade política. Foi o cristianismo que libertou a pessoa humana da absoluta subordinação à comunidade política.

A democracia moderna se baseia nos direitos humanos, os quais garantem que a vida humana não seja destruída e que minorias não sejam oprimidas por decisões arbitrárias de maiorias.

As atuais democracias já não se fundamentam no esforço de serem fiéis a Deus. Elas são laicas, ou seja, religiosamente neutras e se fundamentam na dignidade da pessoa e no direito da liberdade individual. Os governos atuais, no entanto, não podem renunciar aos pressupostos morais. Ora, um ceticismo de princípio que declara impossível o conhecimento último de verdade e de valores é incompatível com uma democracia humana.

O reconhecimento da dignidade humana de toda pessoa é também o que está na base de todo poder político. A pessoa humana é o valor basilar da comunidade política e por isso ela é, em consequência, a única legitimação para o poder político. Dessa forma o poder político de quem foi eleito não pode ser a arbitrariedade individual de quem governa. Ele não pode agir e decidir como se tivesse que responder somente a si mesmo.

A Igreja defende a democracia porque é o ordenamento no qual os princípios cristãos são mais bem salvaguardados. Na sua ética política, a Igreja não defende nenhuma opinião religiosa especial. Ela defende os princípios gerais do Estado racionalmente fundados. De modo concreto defende tudo o que é “verdadeiro, nobre, justo, puro, amável, honroso, virtuoso ou que de algum modo mereça louvor” (Fl 4,8).

A Igreja deseja a máxima aplicação dos valores fundamentais, entre os quais a liberdade de crença e de consciência. Ao mesmo tempo, ela cuida para que a maioria não pense, não atue nem decida contra os valores humanos. Por isso ela atua decididamente no diálogo social para persuadir os cidadãos a sempre agir à luz de valores e princípios humanos. Por tudo isso, ao defender a democracia, os cristãos não estão prejudicando a si mesmos.

A política é a arte e a capacidade de negociar, de fazer cooperar diferentes pessoas e instituições, de unir diversos atores sociais nas coisas comuns, de estabelecer e obter objetivos e empreendimentos para o bem de todos. Um político é sobretudo uma pessoa da ação civil e pública que procura transmitir a arte de viver junto com outros e de se encontrar com os diferentes para construir uma sociedade mais humana e justa. Nesse sentido, é lamentável o que estamos vendo atualmente: em vez de concórdia e negociação, a contraposição e a polarização; em vez da colaboração dos diferentes, o acirramento dessas mesmas diferenças; em vez da busca do que é comum, a insistência obsessiva com o que divide. É lamentável que alguns políticos, em vez de construírem pontes, tenham construído muros que agora são transformados em trincheiras para nelas insuflar a hostilidade entre grupos, partidos, instituições e pessoas. Mau exemplo de política!

O Papa nos adverte que “a polarização política usa da estratégia de exasperar e exacerbar para negar ao outro o direito de existir, a de ridicularizar os outros, insinuar suspeitas falsas sobre o inimigo. A polarização manipula as justas causas para vencer o adversário. Fazendo isso torna impossível colher os fragmentos de verdade e dos valores presentes no outros e assim a nossa sociedade se empobrece e é dominada pela força do mais prepotente. A polarização política lança mão da desqualificação dos outros e manipula o debate para retroalimentar o ambiente de contraposição e discórdia” (cf. Fratelli Tutti 15-17).

É sobretudo lamentável o que vivemos ao interno da Igreja: qualquer posicionamento ou declaração é imediatamente classificada como posição inimiga a ser atacada com toda a virulência e desrespeito. O clima político de antagonismo exacerbado penetrou em nossas comunidades e famílias. Alguns de nossos fiéis vivem na lógica da contraposição de uma política de combate quando não de guerra, obrigam todos a viver em trincheiras de onde poder desferir golpes para destruir o adversário.

É preciso abandonar as trincheiras e construir mais pontes! É urgente “adotar a cultura do diálogo como caminho; a colaboração comum como conduta; o conhecimento mútuo como método e critério” (FRANCISCO – AHMAD AL-TAYYEB, Documento sobre a fraternidade humana em prol da paz mundial e da convivência comum (Abu Dhabi 4 de fevereiro de 2019).

Por Dom Julio Endi Akamine SAC, Arcebispo de Sorocaba

 

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.