Comissão em Defesa da Vida Comissões Episcopais Pastorais Notas

Comissão em Defesa da Vida divulga nota sobre a recente decisão do STF sobre o Padre Luiz Carlos Lodi da Cruz

A Comissão em Defesa da Vida do Regional Sul 1 da CNBB emitiu nesta quinta-feira (01) uma nota manifestando seu total repúdio com relação às sucessivas decisões do Supremo Tribunal Federal (STF), que tem ocorrido nos últimos anos. O Supremo Tribunal Federal deveria ser o organismo máximo a primar pela justiça, mas, infelizmente, tem recentemente adotado medidas que afrontam a própria Constituição Federal e, desta forma, não promovem a justiça, levando progressivamente à desestruturação do estado democrático.

Leia aqui a nota na íntegra

NOTA SOBRE A RECENTE DECISÃO DO STF SOBRE O PADRE LUIZ CARLOS LODI DA CRUZ

“EU VIM PARA QUE TODOS TENHAM VIDA”. (Jo 10,10)

 

A Comissão em Defesa da Vida do Regional Sul 1 da CNBB, vem manifestar seu total repúdio com relação às sucessivas decisões do Supremo Tribunal Federal (STF), que tem ocorrido nos últimos anos. O Supremo Tribunal Federal deveria ser o organismo máximo a primar pela justiça, mas, infelizmente, tem recentemente adotado medidas que afrontam a própria Constituição Federal e, desta forma, não promovem a justiça, levando progressivamente à desestruturação do estado democrático.

A mais recente e absurda decisão do STF foi a confirmação da condenação do Padre Luiz Carlos Lodi da Cruz, de Anápolis – GO, condenado a pagar uma indenização de R$ 398 mil Reais, por ter requerido um Habeas Corpus na 1ª Vara Criminal de Goiânia, em 2005. Esta absurda condenação leva a um verdadeiro caos jurídico, conforme notícias veiculadas nos sites e jornais do Brasil.

O Padre Lodi, havia apresentado o habeas corpus, frente a uma decisão de primeira instância que havia autorizado o aborto. O Habeas Corpus foi aceito pelo desembargador Aluísio Ataídes da Silva, suspendendo a autorização do aborto. Tudo isto dentro dos normais e tramites legais. Ao invés de questionar o desembargador, considerou-se que o padre deveria ser processado e condenado a indenizar a família por ter consultado a justiça. Uma completa inversão das regras e dos valores que regem a instrução de um processo. Com esta absurda condenação podemos entender que recorrer à justiça pode ser crime.

A postura que o STF assumiu nesse julgamento coincide com o que profeta Isaias já condenava no seu tempo: “Ai dos que dizem que o mal é bem, e o bem é mal, dos que transformam as trevas em luz e a luz em trevas… e negam fazer justiça ao justo” (Is 5,20.23). Além do mais, a condenação do Pe. Lodi não somente não encontra nenhuma justificativa no nosso ordenamento jurídico, mas abre perigosamente as portas a julgamentos preconceituosos contra a liberdade de consciência e religiosa que a Constituição garante a todo brasileiro. Será que com isto o STF quer dar início a uma nova inquisição contra os valores da moral natural, que defende a justiça no relacionamento entre os membros da sociedade e, o respeito pela vida humana desde a concepção até o seu término natural?

Diante destes fatos que enaltecem a correta conduta do sacerdote, procurando salvar vidas e, todas as vidas, como nosso Senhor Jesus Cristo nos pediu, manifestamos a nossa total solidariedade ao Padre Luiz Carlos Lodi da Cruz, corajosamente coerente com sua postura em favor da vida, defendendo todo ser humano, a partir dos totalmente indefesos que são os nascituros.

São Paulo, 01 de outubro de 2020.

Padre Berardo Graz
Assessor Eclesiástico

Roberto Vertamatti
Coordenação

 

 

Palavra do Presidente

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.