Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

A declaração é do bispo da Eparquia Maronita Nossa Senhora do Líbano, dom Edgard Madi, em entrevista ao portal do Regional Sul 1 da CNBB ao descrever a situação vivida em Beirute, no Líbano, uma semana após a explosão que destruiu metade de Beirute e deixou ao menos 220 mortos.
“Com um coração ferido mas cheio de fé e de determinação, o povo Libanês está superando as muitas dificuldades. O mundo sabe o valor da existência do Líbano nesse Oriente médio, como o Santo Papa João Paulo II dizia: o Líbano é um país de missão, o Líbano é um país da convivência entre 18 comunidades religiosas. O Líbano é a pérola do Oriente e do Ocidente”, comenta o prelado.
Ainda de acordo com o Bispo do Libano, “esta explosão deixou muitos mortos, feridos e mais de 300 mil refugiados. Derrubou mais de 40 mil casas, escolas, hospitais. Um crime contra a humanidade, e pedimos um tribunal internacional para descobrir quem estava por trás desta explosão para dar contas de seus atos”.
Edgard Madi realça a importância das orações e da solidariedade ao povo libanês, “apesar desta catástrofe que provocou milhares de feridos, sentimos a mão de Deus escondida, que salvou centenas de pessoas da morte. Quantas orações foram levadas para Deus e Nossa Senhora! Uma homenagem para todas as associações humanitárias do país que estão presentes nesse momento. Uma gratidão para todos os países que ajudaram e vão ajudar para mostrar que o mundo está unido e todos são corresponsáveis por todos”.
Ao portal do Regional Sul 1 o bispo agradeceu ao Papa, as conferências episcopais de todo mundo e comunidades internacionais. “Agradecemos ao Papa Francisco, de modo filial, pelo apoio e apelo às comunidades internacionais para ajudar o Líbano. Agradecemos as conferências episcopais do mundo por apoiar e rezar pelo Líbano. A Igreja do Brasil pode ajudar também na oração e através da Cáritas do Líbano”.
Ainda em entrevista à nossa reportagem D. Edgard Mad explicou que o “país está passando por uma crise financeira e econômica muito séria, e a explosão ficou como o furo da lança no corpo de Jesus. O Líbano está na Cruz, ferido com esta explosão, mas não vai ser o fim; depois da última ceia, depois da crucificação, Jesus Ressuscitou e o Líbano também, se Deus quiser, através e além de todo o sofrimento, vai ressuscitar”.