Notícias

Cardeal Arns celebra 93 anos

dompauloevaristoarnsO arcebispo emérito de São Paulo Cardeal Paulo Evaristo Arns celebra 93 anos de vida neste domingo, 14, Festa da Exaltação da Santa Cruz.
 
5º arcebispo e 3º cardeal de São Paulo, Dom Frei Paulo Evaristo Arns, nasceu em Forquilhinha, Criciúma (SC), em 14/9/1921. Ingressou na Ordem dos Frades Menores em 1939. Foi presbítero a 30/11/1945 em Petrópolis (RJ).
Frequentou a Universidade Sorbonne de Paris, onde laureou-se em patrística e línguas clássicas.

Trabalhou como vigário nos subúrbios de Petrópolis, onde era amigo das crianças e dos pobres dos morros, quando foi nomeado bispo auxiliar de dom Agnelo Rossi, no dia 2/5/1966 e sagrado em 03.07.1966, como bispo titular de Respecta.

Atuou intensamente na Região Norte de São Paulo. Foi nomeado Arcebispo de São Paulo no dia 22/10/1970, tomando posse em 01/11/1970.

Dom Paulo foi criado cardeal pelo papa Paulo 6º no consistório de 5/3/1973, com o título de Santo Antônio na Via Tuscolana. Assim que assumiu a Arquidiocese incrementou fortemente a participação dos leigos nos passos do Concílio Vaticano II. Realizou a Operação Periferia e assumiu destemida defesa dos direitos humanos constantemente violados pela ditadura militar.

Dom Paulo é autor de 56 livros e recebeu mais de uma centena de títulos nacionais e internacionais..

Na ocasião da comemoração de seus 65 anos de sacerdócio, em 2010, o arcebispo metropolitano de São Paulo, Cardeal Odilo Pedro Scherer, falou a respeito de seu predecessor:
“O lema episcopal de dom Paulo – ex spe in spem (‘de esperança em esperança’) marcou o exercício do seu ministério; mesmo em tempos difíceis, animado pela esperança, ele continuou firme na promoção daquilo que a fé ensina e o amor exige, animando também a comunidade arquidiocesana a caminhar e agir na esperança. Essa, de fato, é a atitude própria da Igreja de Cristo, que não esmorece no anúncio do Evangelho, mesmo quando os frutos não aparecem imediatamente, ou quando ela precisa ir contra a corrente e a cultura dominante. ‘A esperança não decepciona’, afirma o Apóstolo, pois, mais do que na capacidade humana, ela está firmemente fundada em Deus. Falamos da esperança, virtude teologal, recebida como dom do Espírito Santo no Batismo, junto com a fé e a caridade.”

Tags

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.