Notícias

Bispo celebra 28º de ordenação sacerdotal em missa na Glória

aniversario_de_ordenacao_presbiteral_dom_luiz_26
Ao final da missa dom Luiz foi presenteado com flores

O Bispo Diocesano de Marília, dom Luiz Antonio Cipolini, festejou na noite desta sexta-feira (15) o 28º aniversário de sua ordenação sacerdotal na missa da Assunção de Maria celebrada no Santuário de Nossa Senhora da Glória, no Centro de Marília.

A cerimônia foi concelebração pelo Bispo emérito de Marília, dom Osvaldo Giuntini, pelo pároco Rui Rodrigues da Silva, padre Márcio de Souza, pároco de São Judas Tadeu e do cônego José Carlos Dias Toffoli, administrador paroquial em Álvaro de Carvalho (SP).

Também estiveram presentes o vigário geral da Diocese de Marília e pároco de São Miguel Arcanjo, João Carlos Batista e o sacerdote português Alfredo Martins, da paróquia de Resende (RJ) e ex-pároco da catedral São Bento de Marília, no fim da década de 1970.

Os cantos da celebração foram conduzidos pelo coral infantil da Comunidade de Bom Jesus do Distrito de Rosália. “É uma presença especial. Onde tem criança tem vida, espontaneidade, humildade, carinho”, elogiou o bispo diocesano.

Dom Luiz presidiu a missa em atendimento a um convite feito pelo pároco do santuário. Afinal, o bispo foi ordenado na mesma data por sua escolha, em 1986, devido a sua devoção mariana. “Eu já estava mesmo pensando em me oferecer para vir celebrar aqui”, confidenciou.

Dom Luiz celebrou sua primeira missa em Caconde (SP), sua cidade natal, na paróquia Imaculada Conceição, uma das mais antigas da diocese de São João da Boa Vista (SP). A liturgia escolhida para a ocasião foi repetida na missa de sexta-feira (15).

“Toda vez que a leitura é proclamada, traz uma mensagem nova”, afirmou dom Luiz. Durante a homilia, o bispo pediu à comunidade que se reze mais pelas famílias, em alusão à Semana Nacional promovida pela igreja do dia 10 até este sábado (16). “Se a família reza, dificilmente vai perder a unidade. O tema deste ano fala de espiritualidade, o que é diferente de religião. Uma família pode não ter religião, mas sim espiritualidade”, comparou.

De Marília, Fabiano Roberto Alvares, Coordenador Diocesano da Pastoral da Comunicação

 

 

Tags

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.