Encerrando as atividades programadas para o sábado, o segundo dia da 44ª Assembleia das Igrejas Particulares (AIP) foi concluído com um ato solene que apresentou os presidentes das Comissões Episcopais, bispos referenciais, assessores e coordenadores estaduais de pastorais, movimentos e serviços eclesiais.

Durante a realização da Assembleia das Igrejas Particulares (AIP), no Mosteiro de Itaici, em Indaiatuba, um ato solene, na noite do dia 21 de outubro, marcou o início das atividades dos presidentes das nove Comissões Episcopais, e também dos bispos referenciais, padres assessores e lideranças leigas que coordenam as diversas pastorais, movimentos, organismos e serviços eclesiais no Estado de São Paulo. A presidência do Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) teve como intenção dar a conhecer, por meio deste ato, os bispos que foram eleitos para a função durante a 85ª Assembleia do episcopado paulista, realizada entre 30 de maio e 1º de junho.

A cerimônia foi conduzida pelo agente da Pastoral da Comunicação (Pascom) Eduardo Cunha, da Diocese de São João da Boa Vista, e contou com a participação do ministério de música Reaviva, composto por jovens do Setor Juventude da Diocese de Jundiaí, que abrilhantaram o momento com diversas canções.

Com um território vasto e densamente povoado, o Estado de São Paulo, com suas 42 Igrejas Particulares, é caracterizado pela diversidade de atividades, como destacado no início do ato pelo presidente do Regional, Dom Júlio Endi Akamine: “Há um grande volume de trabalho realizado em nosso Regional. As atividades pastorais e apostólicas são robustas, variadas, intensas e belas. Se tivéssemos que elaborar um relatório sobre o que é feito pastoralmente em nosso Estado, esse relatório seria bastante extenso”.

SINERGIA

Repercutindo a reflexão realizada pelo Pe. Carlos Alberto Contiere durante a tarde, Dom Júlio ressaltou a necessidade da sinergia nas atividades pastorais, de forma que as energias empregadas na evangelização tenham melhor resultado e colaborem para a edificação do Reino: “O Pe. Carlos nos chamou a atenção, hoje a tarde, para um aspecto que não devemos ignorar: a sinergia. Fazemos muito trabalho, mas será que esse trabalho é articulado, é feito em comunhão com a Igreja, é realizado em colaboração com todos?”

Dom Julio motivou os bispos presidentes das Comissões e suas equipes a encararem suas respectivas atividades e desafios como uma maneira que, trabalhando juntos, alcancem a sinergia necessária: “Essa organização de nove comissões episcopais é uma possibilidade de promover a sinergia do nosso trabalho pastoral em nosso Regional. Esta colaboração, esta comunhão no trabalho, possibilita também que possamos nos beneficiar de todo o trabalho que é realizado aqui no nosso Regional, de tal modo que o trabalho de um vem em benefício de todos”.

COMISSÕES
Cada uma das nove comissões foi apresentada no ato solene. Dom Júlio expressou sua gratidão a todos os que aceitaram o desafio de articular os trabalhos. As nove Comissões Episcopais reúnem e articulam cinquenta e seis ações evangelizadoras, entre pastorais, movimentos, organismos, serviços eclesiais e comunidades religiosas.

As Comissões Episcopais têm a responsabilidade de analisar, desenvolver propostas e promover a implementação de programas e projetos que se encaixam em suas respectivas áreas de atuação. Não agem isoladamente, mas suas ações devem ser realizadas de maneira coordenada e colaborativa com as outras Comissões, com o objetivo de assegurar a coesão da pastoral orgânica no Regional.

Estas são as nove Comissões do Regional Sul 1 com os bispos responsáveis:

• Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada (Dom Eduardo Pinheiro da Silva, bispo diocesano de Jaboticabal);
• Cultura, Educação e Comunicação Social (Dom Antônio Emídio Vilar, bispo diocesano de São José do Rio Preto);
• Animação Bíblico-Catequética (Dom Wilson Luís Angotti Filho, bispo diocesano de Taubaté);
• Ação Sociotransformadora (Dom Manoel Ferreira dos Santos, bispo diocesano de Registro);
• Movimentos, Associações e Serviços Eclesiais (Dom Luiz Antonio Cipolini, bispo diocesano de Marília);
• Liturgia (Dom Moacir Silva, arcebispo de Ribeirão Preto);
• Laicato, Vida e Família (Dom Luiz Carlos Dias, bispo diocesano de São Carlos);
• Ecumenismo e o Diálogo Inter-Religioso (Dom Odilo Pedro, Cardeal Scherer, arcebispo de São Paulo);
• Ação Missionária e Cooperação Intereclesial (Dom Carlos Silva, bispo auxiliar de São Paulo e secretário da entidade).

Juntamente com o bispo presidente das Comissões, também foram apresentados os bispos referenciais, padres assessores e lideranças leigas coordenadoras de cada uma das ações evangelizadoras.

Ao final da cerimônia, Dom Frei Carlos Silva, secretário do Regional Sul 1, destacou o caminho percorrido pela Assembleia e motivou os membros das Comissões Episcopais a adotarem o estilo sinodal: “Nós estamos realizando a 44ª Assembleia do Regional Sul 1 em estilo sinodal. Sinodal significa caminhar juntos. Mais do que caminhar juntos, é estar juntos. Quando caminhamos juntos percebemos as paisagens através de múltiplos olhares. Caminhar junto é mais do que caminhar, é partilhar. Não foi isso que fizemos nestes dois dias?”.

Com início da última sexta-feira, dia 20, a programação da AIP vai até a manhã de hoje, dia 22.

 

Fotos: José Ferreira Neto e André Botelho I Pascom Regional Sul 1