Sub-Regiões

Assembleia Sinodal e Ano da Fé foram temas do Encontro Ampliado da Sub-região SP 2

sp2
Agentes participam do encontro com o bispo diocesano

No último sábado, 2 de março, os bispos, padres, religiosos, religiosas e agentes das pastorais sociais da Sub-região Pastoral SP 2 participaram do 18º Encontro Ampliado. O tema “Assembleia Sinodal e Ano da fé” foi abordado pelo bispo diocesano de Lorena (SP), Dom Benedito Beni dos Santos, convidado para a assessoria do encontro.

 Dom Beni começou sua conferência falando sobre o Sínodo dos Bispos, no Vaticano, que tratou da Nova Evangelização para a Transmissão da Fé, explicando que o primeiro Sínodo aconteceu em 1965, durante o Concílio Vaticano II. Acontece há cada três anos. Pode acontecer um Sínodo extraordinário convocado pelo Papa, ou também Sínodo especial para alguma Igreja específica. Exemplo: Sínodo para a Igreja da África, ou da América.

Tema do Sínodo: Nova Evangelização para a Transmissão da Fé – O bispo destacou o que é a nova evangelização. “O conteúdo da nova evangelização já vem de longe. Nova evangelização no amor, nos métodos e nas expressões. A Igreja evangeliza quando celebra os sacramentos, evangeliza através das pastorais, através dos estados de vida (matrimônio, família, vida consagrada), através do testemunho cristão, quando promove a dignidade humana, quando promove a justiça, através do diálogo com as religiões”, destacou Dom Beni.

Dom Beni afirmou ainda que existem três modalidades da evangelização: evangelização ad gentes; evangelização nas paróquias – realidades locais; Nova evangelização.

Ainda durante a conferência, Dom Beni expôs alguns elementos da espiritualidade da nova evangelização que surgiram do Sínodo: Alegria de ser cristão. Esta alegria nasce da consciência de sermos filhos de Deus no Filho que é Jesus Cristo. Nasce também do fato de termos consciência de que a melhor coisa que nos aconteceu foi ter conhecido o Cristo. Partilhar com os outros o dom da fé em Cristo; Centralidade da fé em Cristo; Santidade de vida. Fazer com que a nossa vida atinja a forma, o estilo da vida de Cristo. Só evangeliza aquele que se deixa transformar pela vida de Cristo. Os grandes evangelizadores foram também grandes santos; Conversão. Hoje a Igreja precisa não só de um sério exame de consciência, mas de conversão.; Testemunho de vida. De modo especial, o testemunho da família. O testemunho de vida é uma linguagem universal. Todos entendem e não precisa de interpretação.

sp23
Bispo de Lorena assessora encontro da Sub-região SP 2

Ano da Fé –  Sobre esse tema, Dom Beni, salientou alguns pontos que para ele é fundamental: – o objeto primeiro da fé é que eu creio não em uma coisa ou fato, mas eu creio em uma Pessoa: Deus. O objeto secundário da fé é acreditar no que Deus disse, ou seja, naquilo que Deus revelou. Por isso, o CREDO pronuncia o “eu creio” e enumera as ações de Deus Pai, de Deus Filho e de Deus Espírito Santo. A fé exige amor e obras. A fé sem obra é morta, mas também, a fé sem esperança é morta. Precisamos crer e anunciar a esperança escatológica. Ser anuncio do futuro da fé.  Dimensão pessoal e dimensão eclesial. A fé, antes de tudo, é um ato de liberdade da pessoa que responde a Deus. A dimensão eclesial da fé é que a pessoa precisa da Igreja para receber Fé. Quem nos transmite a fé é a Igreja. Creio no que a Igreja ensina. A fé tem também uma dimensão católica, universal. Creio com os cristãos das gerações passadas.

O bispo alertou ainda sobre a diminuição dos batismos, crismas, matrimônios, “são sintomas da crise de fé. Dá-se mais importância à ciência do que à fé, à Revelação”. disse o bispo.

Para terminar, Dom Beni respondeu algumas indagações dos participantes, por exemplo, quais os desafios da evangelização para com os batizados e não evangelizados? “fazer uma boa preparação para a iniciação à vida cristã. Mesmo os que já foram batizados devem passar pela iniciação à vida cristã. Ir ao encontro das pessoas, realizar missões populares. Criar paróquias missionárias. Em muitas iniciativas, a família pode colaborar muito como núcleo primeiro da evangelização”, respondeu Dom Beni.

 Outra proposta apresentada é incentivar a Pastoral Familiar de desenvolver um trabalho específico junto aos jovens sobre o Ano da Fé. Estas e outras foram apresentadas pelos agentes de pastoral.

O encontro aconteceu na Cúria Diocesana de Santo Amaro e reuniu Bispos, padres e agentes das diversas dioceses que compõem a Sub região (Campo Limpo, Guarulhos, Mogi das Cruzes, Osasco, Santo Amaro, Santo André, Santos e São Miguel Paulista).

sp22
Dom Beni (ao centro) durante a conferência. Ao lado dele, da esquerda para a Direita, Mons. Joaquim e Dom Manuel

 

Fotos de Humberto Pistore. Texto de Renato Papis com colaboração de Irmã Mauriena Aparecida dos Santos

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.