Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

A Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética da CNBB apresentou, na manhã desta terça-feira, 30 de agosto, as alterações feitas ao texto de Estudos 114 da CNBB, sobre a animação bíblica da Pastoral. Tais modificações foram realizadas a partir das sugestões dos bispos enviadas antes da etapa presencial da 59ª Assembleia Geral da CNBB.

Entre as alterações realizadas, foram contempladas questões sobre sinodalidade, a idolatria e o fundamentalismo, a inserção de item sobre a Palavra de Deus e os círculos bíblicos e também sobre a Palavra de Deus e os pobres. Foi adicionado também um item sobre a animação bíblica em nível regional.

No início da apresentação, o arcebispo de Curitiba (PR) e presidente da Comissão para a Animação Bíblico-Catequética, dom José Antônio Peruzzo, afirmou que o texto é “fruto de um longo trabalho” e recordou a trajetória para a que a CNBB chegasse até a votação do estudo como documento da Conferência.

“Desde a Verbum Domini, propôs o Papa Bento que se fizesse encadear na Igreja um processo de animação bíblica da pastoral”, situou. A orientação de Bento XVI, ressaltou dom Peruzzo, era de que não houvesse um departamento ou evento sobre a animação bíblica da Pastoral, “mas um modo de ser” eclesial.

Diante da orientação de Roma, foi feito o documento 97, “Discípulos e Servidores da Palavra de Deus na Missão da Igreja”, e, mais recentemente, com as atuais Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE 2019-2023), tendo como um dos quatro pilares da casa a Palavra, foi feito um novo pedido à Comissão para a Animação Bíblico-Catequética, “adaptado às novas circunstâncias”, segundo dom Peruzzo, para aprofundar o tema.

O texto foi entregue para os bispos para leitura e a votação será realizada em outro momento na sequência desta 59ª Assembleia Geral da CNBB.