Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
20260ABCom a Páscoa celebrada, com o novo Papa Francisco à frente da Igreja, iniciamos um novo mês, e prosseguimos o ano de 2013, pródigo de referências importantes para nossa vida cristã.
A mais densa é a celebração do Ano da Fé, que levamos em frente agora com mais motivações, após a celebração do mistério pascal de Cristo, fonte de onde emana o tesouro de nossa fé.
Também estaremos atentos aos preparativos do encontro mundial de juventude, a se realizar no mês de julho, no Rio de Janeiro. Será a primeira grande viagem do Papa Francisco, que virá também ao encontro do seu país, a Argentina.
No contexto do ano litúrgico, estamos vivendo a “semana de páscoa”. Ela se destina a mostrar como o “mistério pascal” de Cristo se insere em nossa vida cotidiana.
Para simbolizar a nova condição de cristãos, era costume, nos primeiros séculos da Igreja, que as pessoas batizadas na noite de páscoa conservassem suas roupas brancas por toda a semana seguinte. Por isto, era chamada de semana “in albis”, isto é, a semana das roupas brancas.
Conservando ao longo de toda a semana as roupas brancas recebidas ao sair da piscina batismal, os cristãos expressavam sua nova condição de batizados, prolongando a alegria da festa pascal.
Ao mesmo tempo, o cuidado para não manchar a nova vestimenta simbolizava o desafio de compatibilizar a nova vida com o contexto antigo que a vida cotidiana nos apresenta.
Desta maneira, a semana servia de treinamento para a reinserção dos cristãos na vida concreta. Por isto, a semana da páscoa nos lembra o desafio de levar para a realidade onde vivemos os novos valores e os novos critérios da fé, que iluminam agora os compromissos da vida.
Para viver em coerência com a fé, necessitamos sentir a força da Ressurreição, como nos explica São Paulo. É o que esta “semana de páscoa” simboliza.
D. Demétrio Valentini, bispo de Jales