Notícias

53a. Assembleia será eletiva e também atualizará Diretrizes da Ação Evangelizadora

presidencia
Bispos conversam com jornalistas durante coletiva em Brasília (DF) / Foto: CNBB

O arcebispo de Aparecida (SP) e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cardeal Raymundo Damasceno Assis falou, em entrevista coletiva nesta quinta-feira, 23, sobre os preparativos para a 53ª Assembleia Geral da CNBB, que será realizada de 14 a 25 de abril do próximo ano, em Aparecida (SP).

Também atenderam aos jornalistas, na sede da CNBB em Brasília, o arcebispo de São Luís (MA) e vice-presidente, dom José Belisário da Silva, e do bispo auxiliar de Brasília e secretário-geral, dom Leonardo Steiner

O Conselho Permanente da CNBB, reunido em Brasília, de 21 a 23 de outubro, avaliou os trabalhos da última Assembleia e definiu a programação da próxima edição do evento.

A Assembleia Geral de 2015 será eletiva, ou seja, haverá a escolha da nova Presidência da entidade para o próximo quadriênio (2015-2019). Haverá também a revisão das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE). Sobre as Diretrizes, dom Damasceno explicou que não haverá um novo texto, mas a atualização das atuais ações pastorais.

“As Diretrizes Gerais serão atualizadas, com base no discurso do papa aos bispos do Rio de Janeiro e aos Bispos do Celam, durante visita ao Brasil. Também buscaremos inspiração na Exortação do papa, “Alegria do Evangelho”.

Sínodo sobre as famílias

A 3ª Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos sobre a Família, realizado de 5 a 19 de outubro, no Vaticano discutiu o tema “Os desafios da família no contexto da evangelização”. O Brasil esteve representado na Assembleia Sinodal por cardeais e bispos, além de um casal brasileiro, membros da Equipe de Nossa Senhora.

O cardeal Damasceno foi um dos três presidentes delegados da 3ª Assembleia Extraordinária do Sínodo. Ele explicou que, pela primeira vez, o Sínodo está sendo realizado em duas etapas, por decisão do Papa Francisco, o que facilita no amadurecimento dos temas de trabalhos. Em outubro de 2015, acontecerá a 14ª Assembleia Ordinária do Sínodo dos Bispos, com o tema “A vocação e a missão da família na Igreja e no mundo contemporâneo”.

“O resultado deste Sínodo, ou seja, a síntese, aprovada pelos padres sinodais como primeiro texto, será enviado às Conferências Episcopais e dioceses para ser trabalhado e refletido. A partir desse primeiro estudo, as contribuições serão devolvidas à Secretaria-Geral do Sínodo para a elaboração de um novo instrumento de trabalho para o Sínodo de 2015. E então, ao final do Sínodo, teremos a Exortação Apostólica pós-sinodal”, explicou dom Damasceno.

De acordo com o cardeal, a CNBB, assim como outras Conferências, poderá eleger quatro padres sinodais e também dois suplentes para o Sínodo do próximo ano.

Visita ao papa Francisco

Dom Damasceno recordou aos jornalistas, que antes do Sínodo, a Presidência da CNBB realizou uma visita ao papa Francisco, no final do mês de setembro. Segundo o arcebispo de Aparecida, o encontro foi um momento fraterno e agradável. Na oportunidade, a Presidência entregou ao papa Francisco os últimos documentos produzidos pelos bispos do Brasil. “Nós voltamos desse encontro muito encorajados e animados, muito fortalecidos por essa comunhão com o papa”, disse o cardeal.

Pelos direitos indígenas

O vice-presidente, dom José Belisário da Silva, apresentou a nota aprovada pela Conselho Permanente sobre “Os direitos dos povos indígenas”. No texto, os bispos manifestam preocupação com a decisão da 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal, que anula o reconhecimento da Terra Indígena Guyraroká, do Povo Guarani-Kaiowá, no Mato Grosso do Sul, como de ocupação tradicional indígena, e a Portaria  que declara a Terra Indígena Porquinhos, no Maranhão, como de posse permanente do grupo indígena Canela-Apãniekra.

Para o secretário-geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, as decisões são indícios de retrocesso que podem ameaçar os direitos já conquistados pelos povos indígenas. “Temos a impressão de que vamos para um retrocesso já quanto às terras demarcadas”, afirmou.

Segundo a nota da CNBB, “concluir o processo de demarcação das terras indígenas é saldar uma dívida histórica com os primeiros habitantes do país e decretar a paz onde há graves conflitos que vitimam inúmeras pessoas”.

Para dom José Belisário, a questão vai além da demarcação das terras indígenas. É preciso que a sociedade se livre de uma visão preconceituosa sobre os índios. “Na nossa sociedade, a opinião pública vê o indígena de maneira negativa. Nós temos de mudar a nossa visão e a de nosso povo sobre a comunidade e os povos indígenas”, acrescenta.

Dom Leonardo ressalta que a Conferência estará atenta aos direitos dos povos indígenas. “Vamos procurar os membros do Supremo para entregar a nota, pois acreditamos que os pequenos merecem nosso cuidado”, concluiu.

Fonte: Site da CNBB

 

Tags

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.