Com a palavra o Presidente

Testemunha de Cristo na Cidade

Qual é o primeiro objetivo da presença da Igreja numa cidade, como São Paulo? Tantas poderiam ser as respostas, mas uma delas é a principal: ser testemunha de Jesus Cristo e do Evangelho do Reino de Deus.

Foi bem isso que Jesus recomendou aos apóstolos, ao lhes prometer o Espírito Santo, antes de elevar-se ao céu: “vós sereis minhas testemunhas em Jerusalém, por toda a Judéia e Samaria e até os confins da terra” (cf At 1,8). Jesus manda ser testemunhas dele, em primeiro lugar, na cidade de Jerusalém.

No dia 25 de janeiro, festa da Conversão de São Paulo, quando a Arquidiocese de São Paulo comemora o Apóstolo como seu Patrono e Intercessor, entra oficialmente em vigor o seu 11º Plano de Pastoral, que traz este propósito: “ser testemunha de Jesus Cristo na cidade de São Paulo”.

Esta meta dá sentido e orientação a tudo o que a Igreja é e faz: às suas organizações pastorais, instituições educativas, de caridade e solidariedade social; aos seus meios de comunicação, associações de fiéis leigos, à atuação dos bispos, padres e religiosos, para a existência e ação das paróquias, igrejas, santuários, conventos, mosteiros, pequenas e grandes comunidades; para as celebrações litúrgicas e manifestações religiosas, artísticas e culturais, e até para o badalar dos sinos nas torres das igrejas… Tudo isso existe em função da missão de testemunhar Jesus Cristo e seu Evangelho na cidade de São Paulo.

O 11° Plano de Pastoral começa com uma referência à história da presença e atuação da Igreja em São Paulo e ao seu caminho de fidelidade a Cristo. Esta Igreja vê-se hoje diante de situações novas, tanto do ponto de vista religioso e pastoral, como do ponto de vista social, político e cultural; elas representam, uma chance e um convite para atuar de forma nova e perseverante. Mas também há situações desafiadoras, em que a missão da Igreja  precisa ser exercida com renovada atenção e empenho.

Em sintonia com as atuais Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, a Arquidiocese coloca-se diante das urgências, que requerem seu empenho especial: a) a necessidade de promover uma nova evangelização faz a Igreja em São Paulo colocar-se “em estado permanente de missão”; b) a urgência de oferecer melhor formação aos fiéis, leva a Igreja em São Paulo a ser “casa de iniciação à vida cristã”; a necessidade de verdadeiros discípulos missionários de Jesus Cristo requer que toda a vida ação da Igreja seja animada pela a Palavra de Deus”; d) o mandamento do amor fraterno e da comunhão entre todos batizados desafia a Igreja em São Paulo a ser uma rica e variada “Comunidade de comunidades” cristãs; e) “para que todos tenham vida”, a Igreja em São Paulo se coloca ao serviço da vida plena para todos; f) voltando-se para a juventude com amor e profundo interesse, esta Igreja une seus esforços para evangelizar os jovens.

Após indicar algumas situações que caracterizam cada uma dessas 6 urgências, o 11º Plano oferece indicações pastorais, que deverão ser traduzidas em iniciativas e programas de ação pelas paróquias, comunidades e organizações eclesiais e pastorais. O Plano de Pastoral é norteador da ação evangelizadora e pastoral de toda a Arquidiocese para os próximos 4 anos e deverá favorecer a pastoral de conjunto. Nele leva-se em conta o 50º aniversário do Concílio Ecumênico Vaticano II, o Ano da Fé e o Catecismo da Igreja Católica, para ajudar a Arquidiocese a viver esses próximos anos em sintonia e em comunhão com a Igreja no Brasil e no mundo inteiro.

O primeiro ano de vigência do Plano de Pastoral coincide com a realização do Ano da Fé, que toda a Igreja celebra desde 11 de outubro de 2012 até 24 de novembro de 2013. Por isso, a Carta Pastoral – SENHOR, AUMENTAI NOSSA FÉ! – apresenta reflexões e uma série de indicações e sugestões para a vivência do Ano da Fé na Arquidiocese.

Faço votos que o 11º Plano de Pastoral proporcione um caminho frutífero de unidade pastoral, como resposta aos desafios, necessidades e urgências pastorais do nosso tempo. E que a Arquidiocese possa tornar-se cada vez mais uma testemunha corajosa, dinâmica e crível de Jesus Cristo e de seu Evangelho nesta Cidade. Pela intercessão do Apóstolo São Paulo e com as bênçãos de Deus!

Dom Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo (SP) e Presidente do Regional Sul 1 da CNBB

 

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.