Artigos

Reforma política já

A pauta do Congresso Nacional está carregada. Vai ficar ainda mais densa,e tensa, com a entrada em discussão da reforma política.

O país já não agüenta o adiamento desta reforma, que já foi exaustivamente cobrada como a “mãe de todas as reformas”.

Se não é pela vontade dos congressistas, o clamor nacional está urgindo que se coloque o assunto na mesa dos debates, com a inequívoca disposição de elaborar um projeto abrangente, e colocá-lo em votação.

A opinião pública já assinalou, com suficiente clareza, os pontos principais desta reforma, que devem ser definidos e votados.

Nestes dias foi entregue ao Congresso Nacional um projeto abrangente de reforma política, apoiado por mais de seiscentos mil eleitores. O número não atingiu o quórum suficiente para urgir o Congresso a discutir e votar as propostas elaboradas por uma “coalizão” de entidades, onde figura, entre outras, a CNBB e OAB.

A esta altura, não vem ao caso se foram preenchidas ou não as condições de uma “Iniciativa Popular de Lei”, como determina a Constituição.  Pois o recado está dado, com clareza, e com ênfase em sua urgência.

Nem é o caso, também, de dar importância às querelas internas dos católicos que pensam que a CNBB deveria fazer como Pilatos, lavar as mãos para não se sujar com os destinos do povo. O que não dispensaria, isto sim, uma séria avaliação para discernir onde moram as causas da anemia política de muitos cristãos, que preferem aumentar o volume dos salmos no interior da igreja, para impedir que a voz das ruas seja ouvida. A proposta de reforma não dispensa a atuação do Congresso Nacional, nem usurpa as atribuições que são próprias do Estado, pelo qual, de resto, devemos todos nos sentir envolvidos como cidadãos conscientes e corresponsáveis.

Que o Congresso coloque logo o assunto em discussão. Mas que não perca de vista as sugestões que trazem as preocupações mais evidentes da cidadania.

Entre elas, a mais complicada, e que vai exigir sabedoria e abertura de espírito,  é certamente a questão do financiamento da campanha política. Em especial, o financiamento de campanhas por parte de empresas. A questão de fundo é afastar, o quanto possível, a influência do poder financeiro sobre o resultado das eleições.  Pois até que tivermos deputados e senadores financiados para defenderem interesses corporativos de empresas, a democracia fica comprometida e desvirtuada.

Outro ponto nevrálgico da reforma política é aprimorar a representatividade do Congresso Nacional. E´ preciso que o sistema político estimule a proximidade dos eleitores com os eleitos, para cobrar deles as incumbências que a cidadania lhes atribui, e que eles assumiram publicamente na campanha eleitoral. Este difícil desafio precisa encontrar mecanismos viáveis de sua realização. Pode ser pelo voto distrital, na forma que se resolva implementá-lo.  Mas este desafio precisa levar em conta, simultaneamente, a função dos partidos políticos, que viabilizam a formulação de projetos amplos, para ir consolidando um projeto de Nação para todo o país.

Por isto, merece atenção especial a proposta de vincular o mandato dos eleitos a seus respectivos partidos, não se excluindo a possibilidade da votação em listas partidárias, ou através de outras providências destinadas a fortalecer a função dos partidos políticos. Sem partidos fortes e coerentes o Congresso Nacional se torna um desvirtuado desfile de ambições pessoais, e um jogo de cena encobrindo manobras interesseiras.

Permanece de pé a regulamentação dos instrumentos da democracia participativa, assumidos pela Constituição em seu Artigo 14, como é o caso da Iniciativa Popular de Lei, do Plebiscito, e do Referendo. Sem a definição destes institutos, as manifestações populares acabam se desvirtuando, por falta de adequada sustentação.

Se o atual Congresso Nacional quiser passar para a história como protagonista da reformulação política do Brasil, que vote logo uma reforma política que venha ao encontro destas aspirações da cidadania.

Por Dom Demétrio Valentini, Bispo de Jales  

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.