Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

O secretário do Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e bispo referencial da Pastoral Fé e Política, Dom Luiz Carlos Dias, participou desta reunião.
A Pastoral Fé e Política do Regional Sul 1, reuniu-se por videoconferência na manhã de sábado (15). Na pauta, apresentação dos coordenadores dos núcleos diocesanos e partilha de suas realidades e propostas de trabalho; eleição da Coordenação Regional; sugestões para os trabalhos do Regional em vista do próximo pleito eleitoral.
É uma satisfação para o Regional contar com esses grupos que desenvolvem seus trabalhos pastorais no campo da política motivados pela fé católica, tais como as Escolas de fé e Política, pastorais e grupos de reflexões, empenhados em formar cristãos católicos para a política, atividade que a Igreja reconhece como sendo uma alta forma do exercício da caridade, como tem realçado o Papa Francisco.
Participaram os núcleos da Arquidiocese de São Paulo, Região Episcopal Belém; Arquidiocese de Sorocaba; Mogi das Cruzes; Jundiaí; Campo Limpo; Guarulhos, e um ainda em instalação em Santo André.
Após a partilha dos coordenadores dos núcleos, foi composta a equipe regional. À coordenadora, Mônica de Cássia Vieira Lopes (Arquidiocese de São Paulo) e ao vice coordenador Emanuel Gallo (Diocese de Mogi das Cruzes), se juntaram Robinson Zanutto (Diocese de Santo André), para o cargo de secretário e João Batista Rodrigues da Paz (Arquidiocese de Sorocaba), para o cargo de tesoureiro. Tendo como assessor o padre Antônio Carlos Frizzo (Diocese de Guarulhos) e Dom Luiz Carlos Dias como bispo referencial.
Em relação ao planejamento das ações visando contribuir na preparação das nossas comunidades para as eleições de cunho municipal, previstas para o mês de novembro próximo, Dom Luiz Carlos explicou a opção dos bispos do Regional pela cartilha elaborada pelo Regional do Sul 2, com a assessoria da CNBB nacional. Além deste instrumento, foram apresentadas outras sugestões, como a elaboração de circulares explicativas/formativas, segundo o calendário eleitoral, e material para as mídias. Porém, este planejamento ainda será finalizado.