Comissões Episcopais Pastorais Notícias

Nota Pública da Pastoral Carcerária do Estado de São Paulo

A Pastoral Carcerária do Estado de São Paulo (PCr), emitiu nesta quarta-feira, 18, uma nota pública em resposta à PCr Nacional com relação as restrições do atendimento religioso nos cárceres paulistas.

Leia a nota na íntegra:

A Pastoral Carcerária do Estado de São Paulo, através de seu Bispo Referencial do Regional Sul1 da CNBB e dos integrantes de sua Coordenação Estadual, vem por meio deste documento se manifestar acerca da Nota Pública divulgada pela Pastoral Carcerária Nacional, em 08 de julho de 2018, abordando as restrições do atendimento religioso nos cárceres paulistas.

Embora as preocupações abordadas pela PCr Nacional sejam legitimas, é importante colocar que o caminho executado e as providências tomadas pela PCr Estadual, desde o início do problema, que é o caminho do diálogo, foram totalmente ignorados.

Na Assembleia Estadual da Pastoral Carcerária de São Paulo, ocorrida entre 04 e 06 de maio de 2018, na cidade de Adamantina, Diocese de Marília, a questão foi discutida em Plenária e ações foram definidas para lidar com a presente questão. Posteriormente, no dia 19 de junho de 2018, em São Paulo, ocorreu uma audiência com o Secretário da Administração Penitenciaria, Dr. Lourival Gomes, na qual o Bispo Referencial da PCr-SP, Dom Otacílio Luziano da Silva, e integrantes da Coordenação estiveram presentes, conforme notícia publicada no site do Regional Sul 1 em 05 de Julho de 2018.

O Secretário da Administração Penitenciária, conforme notícia acima, salientou que as restrições são de caráter temporário.

Registre-se que o escritório estadual da Pastoral Carcerária tem oficiado, por fax e e-mail, desde o início das restrições, a Secretaria, solicitando os esclarecimentos que se fazem necessários. O Bispo Referencial e a Coordenação Estadual da PCr-SP têm mantido contato contínuo com o Secretário. Também é importante esclarecer que que as equipes da Pastoral Carcerária, presentes em todas as Dioceses, têm realizado as visitas, mesmo com as restrições, e dialogado com os(as) Diretores(as) nas Unidades Prisionais.

Em 29 de Junho de 2018, Solenidade de São Pedro e São Paulo, foi enviado um comunicado, via e-mail, às equipes pastorais de todo o Estado, informando as providências que seriam tomadas a partir do resultado da Audiência. Neste comunicado, também encaminhado à Pastoral Carcerária Nacional, foi dada a liberdade para os membros da Pastoral enviarem sugestões de como lidar com a questão, e que estas seriam sempre bem-vindas e que passariam pela análise do Bispo Referencial.

Diante disso, nos causa preocupação a atitude totalmente isolada de publicar essa Nota no site da Pastoral Carcerária Nacional. Embora tenhamos sido consultados, ainda que na véspera da publicação, mas analisando o fato de não termos participado do processo de confecção do documento, bem como não ter havido a participação de nenhuma Diocese do Estado de São Paulo, e também por entendermos que tal iniciativa certamente poderia tensionar e piorar ainda os trabalhos da Pastoral Carcerária nas Unidades Prisionais do Estado de São Paulo, de maneira unânime, nos recusamos a assinar a Nota.

Propomos à Coordenação Nacional da Pastoral Carcerária a caminharmos e trabalharmos em comunhão e unidade eclesial, respeitando as instâncias existentes criadas pela Igreja, para podermos, juntos, anunciar o Reino de Deus e visitarmos a Jesus Cristo presente nas pessoas privadas de liberdade. Acreditamos firmemente que o diálogo com todas as pessoas e instituições sempre é e será o melhor caminho para resolução dos problemas. A Evangelização nos Cárceres é um grande desafio, e a Pastoral Carcerária, como realidade da Igreja, em todas as suas instâncias, deve evitar atitudes extremas.

Fraterno abraço a todos e a todas!

Em Cristo,

Dom Otacílio Luziano da Silva
Bispo Diocesano de Catanduva e Referencial da Pastoral Carcerária no Estado de São Paulo/CNBB-SUL1

Deyvid T. Livrini Luiz
Coordenador Estadual da Pastoral Carcerária de São Paulo/CNBB-SUL1

Antonia Alixandrina
Vice Coordenadora Estadual da Pastoral Carcerária de São Paulo/CNBB-SUL1

Adolfo Oliosi
Secretário Executivo Estadual da Pastoral Carcerária de São Paulo/CNBB-SUL1

Padre Emerson Andrade de Lima
Assessor Espiritual da Pastoral Carcerária do Estado de São Paulo/CNBB-SUL1

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.