Artigos

Os protagonistas da economia

Quando a economia não vai bem, todos se preocupam. Com razão. Pois sem ela a vida vai mal. Nesse final de semana a tradição popular celebra duas categorias muito importantes da sociedade, os motoristas e os agricultores. Faz parte dos objetivos desta dupla celebração a auto afirmação, tanto dos motoristas, que invocam a proteção de São Cristóvão, como dos agricultores autônomos, cuja história de lutas está muito ligada aos migrantes, sobretudo europeus, que vieram em grandes levas a partir do final do século 19, mas também ao longo do século 20.

O dia 25 de julho se reporta à chegada no Brasil dos primeiros migrantes austríacos e alemães, em 1824. Dom Pedro Segundo, que tinha laços de parentesco com a família real austríaca, incentivou a vinda desses migrantes, que trouxeram consigo a disposição inata para o trabalho, sobretudo rural.

Cinqüenta anos depois, foi a vez dos camponeses italianos iniciar sua saga migratória para “a América”. Era assim que identificavam o novo destino de suas vidas. Naquela época, no ideário do povo, o Brasil ainda não contava. Era a “América” que esquentava as fantasias dos migrantes que se aventuravam para o Novo Mundo, na esperança de fugir da grave crise social provocada pela revolução industrial, acontecida no auge do liberalismo econômico.

Entre as muitas ponderações que a complexa realidade da “ordem econômica” levanta, emerge com evidência a interação do poder público com a iniciativa particular.

A economia tem suas leis, que demandam o seu adequado espaço de realização. Ao mesmo tempo, salta aos olhos que a economia encontra sua razão de ser no bem comum, a cujos objetivos ela precisa estar sujeita.

A economia, com sua dinâmica específica, não pode se eximir de sua inserção social. Ela precisa ser conduzida por leis que a direcionam para a sua verdadeira finalidade. Por isto, a economia está sujeita à política. E a política precisa se guiar pela ética.

Tem sentido a “macroeconomia”, que procura definir os grandes projetos, dentro dos quais a atividade econômica pode se realizar, contribuindo assim para o bem comum da sociedade. Mas, à semelhança dos servidores públicos, que são tão importantes para a boa administração política, hoje dá para destacar a importância dos pequenos agentes econômicos, que exercem com dedicação e competência o seu trabalho profissional.

Neste final de semana, eles estão bem representados nos “motoristas e agricultores”. É a certeza de contar com a laboriosidade destes “protagonistas da economia”, que se reacendem as esperanças de que a economia brasileira retome seu dinamismo, e possamos superar a crise em que o país vai mergulhando. O exemplo da dedicação dos motoristas, e do dinamismo dos agricultores, deve servir de estímulo para toda a sociedade. Para que não aconteça que a situação se agrave ainda mais por veleidades políticas. Neste momento é importante que cada um procure fazer o que está ao seu alcance para contribuir para o bem de todos, em especial dos socialmente mais fragilizados.

Na sua intervenção na Assembléia da CNBB, Rubens Ricupero afirmou com muita clareza que a moralidade de um país é medida pela atenção prioritária que ele consegue dar aos pobres.

Por Dom Luiz Demétrio Valentini, Bispo de Jales (SP)

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.