Artigos Destaques

O Domingo da Palavra de Deus

Com a Carta Apostólica sob forma de Motu Proprio, denominada ‘APERUIT ILLIS”, no dia 30 de setembro de 2019 o papa Francisco instituiu o Terceiro Domingo do Tempo Comum  como O DOMINGO DA PALAVRA DE DEUS. Na conclusão do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, em sua Carta Apostólica “Misericórdia Et Misera”, dizia o papa: “É meu vivo desejo que a Palavra de Deus seja cada vez mais celebrada, conhecida e difundida, para que se possa, por meio dela, compreender melhor o mistério de amor que dimana daquela fonte de misericórdia (Carta ap. Misericórdia et Misera, 7).

Com esta carta, continua o papa: “pretendo dar resposta a muitos pedidos que me chegaram da parte do povo de Deus no sentido de se poder celebrar o Domingo da Palavra de Deus em toda a Igreja e com unidade de intenções (Carta ap. Aperuit Illis, 2). Sabemos que entre os Cristãos o mês de setembro já é tradicionalmente conhecido como o mês da bíblia, dada à memória litúrgica do tradutor e exegeta das sagradas escrituras, São Jerônimo, que se celebra no dia 30 de setembro.

No Brasil, diversas iniciativas são encontradas entre as comunidades eclesiais que celebram o dia da bíblia aos 30 de setembro, muito embora todo este mês é dedicado ao estudo, reflexão e divulgação da bíblia sagrada. Coma a Carta Apostólica APERUIT ILLIS”, o papa Francisco cria para toda a igreja um domingo que será dedicado inteiramente à Palavra de Deus. Como recorda o apóstolo São Paulo; “Toda Escritura é inspirada por Deus e é útil para ensinar, para argumentar, para corrigir, para educar conforme a justiça” (2Tm 3,16). Certo da importância da Palavra de Deus na vida da igreja e das pessoas, o papa Francisco enfatiza: “É bom que não venha jamais a faltar na vida do nosso povo esta relação decisiva com a Palavra viva, que o Senhor nunca se cansa de dirigir à sua Esposa (Igreja), para que esta possa crescer no amor e no testemunho da fé (Carta ap. Aperuit Ellis, 2). Portanto, continua o papa: estabeleço que o III Domingo do Tempo Comum seja dedicado à celebração, reflexão e divulgação da palavra de Deus. Este Domingo da Palavra de Deus colocar-se-á, assim, num momento propício daquele período do ano em que somos convidados a reforçar os laços com os judeus e a rezar pela unidade dos cristãos” (Carta ap. Aperuit Ellis, 3).

Continua o Papa: “AS comunidades encontrarão a forma de viver este Domingo como um dia solene…” “Que na celebração eucarística se possa entronizar a palavra de Deus…” “Neste Domingo, será útil colocar em evidência a sua proclamação e adaptar a homilia para se por em destaque o serviço que se presta à Palavra do Senhor. Neste Domingo, os Bispos poderão celebrar o rito do Leitorato ou confiar um ministério semelhante, a fim de chamar a atenção para a importância da proclamação da Palavra de Deus na liturgia”. “… que se faça todo esforço possível no sentido de preparar alguns fiéis para serem verdadeiros anunciadores da Palavra com uma preparação adequada”… “De modo a fazer emergir a importância de continuar na vida diária a leitura, o aprofundamento e a oração com a Sagrada Escritura…” (Cf. Carta ap. Aperuit Ellis, 3).

Agradecemos o papa Francisco pela criação do DOMINGO DA PALAVRA DE DEUS, mediante o Motu Proprio “APERUIT ILLIS”. Agradecemos também a ele por seu amor e zelo para com a igreja, pelos presentes a ela concedidos, tais como as Exortações Apostólicas Evangelii Gaudium, Amoris Laetitia, Gaudete Et Exultate, bem como as Cartas Encíclicas Laudato Sí e Misericórdia Et Misera, entre tantos outros. Que pela intercessão da Virgem Maria,  Deus abençoe e conserve o para Francisco no pastoreio da Sua igreja.

Por Dom Eduardo Vieira dos Santos, Bispo auxiliar de São Paulo.  O seguinte texto foi extraído do folheto Folheto Litúrgico Semanal da Arquidiocese de São Paulo. 

 

 

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.