Artigos

Natal: Ansia pelo novo ou mesmice?

Querido irmão e querida irmã, o fim do ano é sempre ocasião de tecermos diversos comentários, geralmente “temperados” por sentimentos de angústia, desolação, decepção, revolta, quando olhamos para trás e recordamos situações que deixaram marcas negativas com consequências mais ou menos profundas no cenário de um mundo no qual estamos propensos a enxergar mais contra valores do que valores.

Novamente, porém, a oportunidade bate às nossas portas para pensarmos, desejarmos e nos esforçarmos por um “novo” que não é, simplesmente, uma alternativa entre outras, e sim, verdadeiramente, a realização de tudo o que desejamos aos outros e também recebemos como votos em incontáveis correspondências ou cumprimentos.

Acredito que muitos já conhecem a história que segue abaixo, mas penso que vale a pena relembrá-la para nos ajudar a refletir como podemos e devemos ansiar pelo “novo”, na certeza de que ele nos é mais acessível do que imaginamos!

Quando uma visita é especial para nós, costumamos nos preparar bem!

“Após ter lido as passagens bíblicas, onde Jesus ceava com seus discípulos, nas casas dos publicanos e pecadores, uma mulher, boa cozinheira, pensava consigo mesma: ‘Se Jesus viesse comer em minha casa, eu iria reunir toda a minha família para um jantar inesquecível’.

Assim, manifestava ao céu o seu desejo, que seria a maior graça de sua vida. Pensava dia e noite nessa possibilidade única, para conseguir a bênção e a conversão de todos os seus familiares.

Um belo dia apareceu um bilhete debaixo da porta da casa, no qual estava assim escrito: ‘Hoje, virei jantar em sua casa. Jesus’.

A mulher ficou cheia de alegria, pois seu pedido fora atendido. Avisou toda a família sobre esse jantar-surpresa. Corria contra o tempo para deixar tudo bem limpo e acolhedor. Preocupou-se com todos os detalhes, pois a visita merecia do bom e do melhor.

No meio dessa correria para preparar o jantar, alguém tocou a campainha. Na pressa, a mulher correu até à porta, pensando que a visita já tinha chegado. Mas era uma senhora, com uma criança ao colo, pedindo ajuda para comprar remédios.

‘Não posso atendê-la agora’, disse a feliz cozinheira, ‘pois estou esperando uma visita muito importante, e gastei tudo o que tinha para preparar o jantar. Volte outro dia’.

Continuou seu trabalho no preparo do jantar, quando novamente a campainha tocou. Pensou: ‘deve ser Jesus que já chegou e ainda não estou pronta’.

Mas, ao atender a porta, estava ali uma criança maltrapilha a perguntar: ‘Vizinha, não tem nada para a gente?’

Ela novamente explicou do serviço apurado em que se encontrava e que não podia atendê-la.

Ainda nervosa pelo incômodo causado por essas ‘pessoas inoportunas’, mais alguém bateu à porta. ‘Deve ser ele!’. E saiu rapidamente para atender.

‘Desculpe, senhora’, explicou-lhe um pobre senhor, ‘estou com minha mulher doente e precisaria que alguém a levasse até o hospital. A senhora não poderia ajudar-me?’

‘Nessa hora não posso, senhor! Estou esperando uma visita muito importante e não posso sair de casa. Estou muito ocupada. Quem sabe, o vizinho pode atendê-lo; ele também tem carro’.

Quando a noite chegou e o jantar estava pronto, começou a preocupar-se de que Jesus não viesse. A família reunida aguardava ansiosamente a chegada da ilustre visita. Mas o tempo corria e ninguém mais tocava a campainha.

Quando alguém foi verificar se a visita não estaria chegando, encontrou um bilhete debaixo da porta: ‘Já estive aqui hoje três vezes. Jesus’”.

A você, meu irmão e minha irmã, uma boa espera de Jesus, naquilo que é mais simples e que, com autenticidade no coração, reveste-se de uma profundidade que faz a diferença de que tanto precisamos no ano novo! Feliz Natal!

Dom Luiz Gonzaga Fechio
Bispo Diocesano de Amparo

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.