Artigos

“Hoje não fecheis o vosso coração, mas ouvi a voz do Senhor!” (Sl 94)

O próprio Criador colocou no coração do ser humano o desejo, e mesmo a necessidade, de viver em comunhão com os demais. Impossível ao ser humano realizar-se plenamente sem encontro, diálogo, partilha, doação e comunhão. Com o pecado, desde a origem, essa inclinação para amar o irmão, que devia ser natural e satisfatória, passou a ser difícil e incompleta. Caim mata seu irmão Abel. Continuamos a buscar sofregamente o amor, a amizade, a comunhão, mas esbarramos no nosso próprio ego, na má vontade, nos desencontros, no pecado. Jesus Cristo é a Palavra Viva do Pai, para nos reconduzir à felicidade original. Mas para isso, precisamos de uma urgente e permanente conversão.

O tempo da Quaresma é, portanto, precioso. É a oportunidade que o Senhor nos dá para restaurar o nosso coração e ouvir a voz de Deus. Não insistir mais nos caminhos errados e obedecer aos mandamentos divinos. Entender por que sofremos e em que ponto de nossa vida nos desviamos da felicidade de servir ao Senhor, e passamos a buscar o que o mundo nos oferece como proposta.  Fazemos na Quaresma o trajeto da cruz: colocamos o nosso sofrimento junto com o de Cristo em sua Paixão, e com ele ressuscitamos. Redescobrimos o valor da vida, o amor, a comunhão fraterna. Conversão e penitência não são palavras que inspiram tristeza, mas abrem uma perspectiva muito alegre, de renovação e de harmonia.

Não fazemos esse trajeto sozinhos. Jesus nos deixou a Igreja – os irmãos de fé – para nela buscarmos o apoio e a motivação. Ela própria, a Igreja, precisa de conversão permanente. Mais urgente ainda nestes tristes tempos de empobrecimento da fé, inversão de valores, escândalos e contra testemunhos. Pecados que estão presentes estruturalmente no mundo, mas que na Igreja se tornam ainda mais graves, dada a sua missão de conduzir os homens com segurança para Deus.

Na Quaresma, a Igreja do Brasil abraça a causa da Fraternidade. Essa palavra, Fraternidade, está no coração do Evangelho, e é o primeiro e o maior dos mandamentos. A Fraternidade dá um rosto concreto à conversão quaresmal. Já houve quem questionasse a Campanha da Fraternidade alegando que ela desvia o sentido próprio desse tempo litúrgico. Longe disso, a proposta de aprofundar os laços fraternos, tendo como espelho a paixão e a ressurreição, é absolutamente coerente. “Sabemos que passamos da morte para a vida porque amamos os irmãos. Quem não ama permanece na morte” (1Jo 3,14). Outro traço da Quaresma também ligado à Fraternidade é a partilha dos bens: a coleta feita no domingo de Ramos, sempre usada com muito critério a serviço dos necessitados, cabe completamente neste tempo litúrgico como sinal de conversão e sede de justiça.

A Campanha deste ano liga a Fraternidade às Políticas Públicas. É bom esclarecer que isso nada tem a ver com a política partidária, pois esse não é o campo da Igreja. Políticas públicas são ações do governo, sim, mas são diretrizes e programas criados para enfrentar os problemas públicos. A identificação dos problemas, a escolha dos caminhos, a formulação das diretrizes precisa contar com a participação de toda a sociedade. Nesse campo a Igreja sempre participou ativamente. Basta lembrar o papel das Santas Casas, na área da saúde; dos Colégios Católicos, na área da Educação; da Pastoral da Criança, na prevenção da mortalidade infantil; as cestas básicas entregues em nossas paróquias e muitas outras iniciativas. Os problemas públicos se agravaram nos tempos de hoje e a Igreja, por estar próxima da vida das pessoas, pode ajudá-las a ter voz no debate e na formulação das políticas públicas. Uma forma especialmente importante de estar presente é a participação nos Conselhos deliberativos previstos na Constituição. Os conselhos da Criança, da Saúde, da Assistência Social e da Educação são de extrema importância na formulação das políticas públicas. No entanto, contam hoje com uma presença muito fraca da nossa Igreja, se comparamos com outros grupos e instituições. É preciso que os nossos leigos sejam incentivados a participar daquilo que lhes cabe na construção da sociedade, também através da elaboração e acompanhamento das políticas públicas.

Enfim, a Quaresma e a Campanha da Fraternidade nos convidam a olhar o mundo com o mesmo olhar que tinha o Filho de Deus ao andar pelos caminhos da Galiléia. Restaurar a nossa identidade cristã, defender a dignidade dos mais desprotegidos, tornar pública a nossa voz na defesa da vida, desde a concepção até a morte natural, defender a natureza como dom do Criador, dialogar com a sociedade propondo os valores do Evangelho, tudo isso é construir um mundo fraterno, e está dentro da nossa missão de evangelizar. Grande parte das nossas comunidades já está fazendo esse caminho de unir fé e vida, como duas realidades que não se opõem, mas se completam. Com a riqueza da conversão quaresmal, iluminada pelas luzes da Campanha da Fraternidade, esperamos estar, hoje e sempre, de coração aberto à voz do Senhor.

Por Dom João Bosco, ofm, Bispo Diocesano de Osasco

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.