Amazônia Destaques Sinodo

Dom Odilo: o foco do Sínodo é a missão da Igreja na Amazônia

Arcebispo de São Paulo destacou que bispos não estão reunidos com o Papa para tomar decisões políticas

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, ressaltou que o Sínodo dos Bispos para a Amazônia tem como foco a missão evangelizadora da Igreja na região amazônica.

No programa “Encontro com o Pastor” desta quarta-feira, 9, na rádio 9 de Julho, Dom Odilo enfatizou que os bispos não estão reunidos com o Papa no Vaticano pra tomar decisões políticas ou que cabem aos governos, “mas para fazer uma reflexão sobre aquilo que é a missão da Igreja em relação às questões da Amazônia”.

Em viagem a Roma para a participação do Consistório para criação de 13 novos cardeais, celebrado no sábado, 5, e para a Canonização da Beata Dulce dos Pobres, que acontecerá no próximo domingo, 13, o Cardeal Scherer, também participou da missa de abertura do Sínodo, presidida pelo Papa Francisco no domingo, 6, na Basílica de São Pedro.

POVOS E MEIO AMBIENTE

Dom Odilo explicou aos ouvintes que neste momento acontecem no Sínodo os debates sobres os vários temas que estão relacionados com as questões da Amazônia e a sua região nesse território que compreende, além do Brasil, mais oito países da América do Sul.

Dentre as questões que interessam a Igreja na região Amazônica está a situação dos povos que ali vivem – indígenas, ribeirinhos e caboclos –, seja no interior como nas cidades. “A Igreja tem uma missão em relação ao homem da Amazônia”, afirmou Dom Odilo.

Por outro lado, recordou o Arcebispo, o Sínodo também discute temas relacionados ao meio ambiente e o cuidado necessário para preservar o que o Papa Francisco chama de “casa comum”, tema de sua Encíclica Laudato si’. Tal cuidado da natureza, acrescentou o Cardeal, é importante para os que hoje vivem da natureza, como para que as futuras gerações.

MISSÃO

Dom Odilo salientou, ainda, que o foco do Sínodo é a missão da Igreja, sua presença na Amazônia, carências, e os desafios par aa evangelização nessa região. Ele chamou a atenção, por exemplo, para o avanço dos movimentos neopentecostais nas comunidades amazônicas, apontando que umas das causas seja o fato de a Igreja Católica não estar suficientemente presente.

“Precisamos encontrar modos e meios de nos fazer presentes de maneira mais eficaz na grande Amazônia. Esta é a questão que o Papa Francisco está colocando: a Igreja na Amazônia precisa encontrar novos caminhos para a evangelização”, reforçou o Cardeal.

Novos caminhos, enfatizou Dom Odilo, serão os que partem sempre da fé profunda renovada em Jesus Cristo, no Evangelho, a dedicação missionária, “a caridade ardente” e a vida cristã cultivada pessoalmente, nas famílias e nas comunidades. “É assim que a Igreja consegue cumprir a sua missão e tornar-se presente”, disse.

RENOVAÇÃO INTERIOR

O Cardeal acrescentou que a renovação missionária que se busca na Amazônia não é tanto em relação às estruturas, mas uma renovação do espírito, da maneira de estar presente nessa região.

“Como o Papa Francisco tem dito, é preciso que haja evangelizadores novos, com espírito novo. Só assim a Igreja vai se renovar. Simplesmente trocar estruturas não dá muita certeza de que vão acontecer as mudanças”, afirmou Dom Odilo, recordando que Jesus, no Evangelho, diz que o vinho novo deve ser colocado em odres novos. “Portanto, os vinhos novos que nós devemos ser, deverão produzir novidade, novas formas de estarmos presentes como cristãos”. (Com informações do JORNAL O SÃO PAULO).

OUÇA O PROGRAMA “ENCONTRO COM O PASTOR”

Palavra do Presidente

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.