Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

É tempo favorável de renovar a fé, mudar de vida, passando do egoísmo ao amor. É tempo de encontrar a felicidade que somente Deus pode oferecer através de Jesus, que fala com sabedoria e nos ensina com amor.”

O bispo diocesano Dom Pedro Carlos Cipollini presidiu na noite do dia 2 de março, a Missa de Quarta-feira de Cinzas que inaugurou o tempo litúrgico da Quaresma e promoveu a abertura da Campanha da Fraternidade 2022 na Diocese de Santo André. A celebração reuniu fiéis, seminaristas, religiosos e padres na Catedral Nossa Senhora do Carmo, no Centro da cidade andreense.

Quaresma: reconciliação com Deus e os irmãos

A Quaresma, período de 40 dias que antecede a Páscoa, teve início nesta quarta-feira. Neste tempo quaresmal, a Igreja nos propõe uma mobilização para a conversão, que é sempre reconciliação com Deus, com os irmãos e irmãs, e para a penitência, que é mitigar nossas paixões que nos levam ao pecado.

O bispo diocesano também mencionou a passagem do Evangelho desta quarta, em que Jesus nos apresenta exercícios que evidenciam o caráter de conversão, que é mudança de vida.

“Na Quarta-feira de Cinzas, escutamos no Evangelho de Mateus (6, 1-6. 16-18), Jesus que faz referência à esmola, à oração e ao jejum. A esmola está associada à partilha dos bens. Dar esmola é aprender a partilhar! A oração nos coloca em relação direta com Deus. E o jejum nos prepara e nos capacita para orar e partilhar. Viver na justiça”, reflete Dom Pedro.

Segundo ele, são posturas que visam novas relações do ser humano consigo mesmo, com os outros, com a criação e com Deus. “É o modo de agir no amor, na justiça, na paz e amizade social, conforme ensina o Papa Francisco na encíclica Fratelli Tutti”, acrescenta.

Rito de imposição das Cinzas

Logo após a homilia, o bispo realizou a benção das cinzas para em seguida promover a imposição delas na testa de cada pessoa.

Dom Pedro explica que a Igreja realiza esse rito das cinzas como sinal de penitência e arrependimento, proferindo a frase de Jesus: “Convertei-vos e crede no Evangelho.” As cinzas recordam a nossa origem e nosso fim.

Conforme a Bíblia, “Deus fez o homem do pó da terra” (Gênesis 2,7) “E ao pó da terra, ele voltará” (Gênesis 3, 19). “Essa terra, a consideração é um chamado para reconhecermos nossa fragilidade, mortalidade e vaidade e converter o nosso coração ao Senhor, que pede de nós, neste momento, que nos empenhamos pela evangelização, mas não a evangelização alienada, mas sim uma evangelização que tenha incidência na vida de todo dia, para que todos tenham vida e vida plena”, salienta.

“Fala com sabedoria, ensina com amor”

Organizada pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) desde a década de 1960, a Campanha da Fraternidade 2022 apresenta o tema: “Fraternidade e Educação” e o lema “Fala com sabedoria, ensina com amor”, (Pr 31,26), que trata do foco na educação integral da pessoa humana. Não é um tema inédito, uma vez que as campanhas de 1982 e 1998 abordaram esse mesmo assunto.

“A exemplo de Jesus, nós, seus discípulos, somos chamados a interessarmos pela educação. Educação para todos, a fim de que todos possam ter mais vida e vida com dignidade. Educar é humanizar. Começa na família, passa pela escola e vai pela vida afora”, conclama.

Educar é tarefa de toda a sociedade

No entanto, Dom Pedro aponta obstáculos presentes na sociedade que afetam o  acesso à educação de qualidade nas escolas e universidades, como a distribuição desigual de renda e a violência, que atingem os mais pobres e carentes.

“No Brasil, a falta de educação se reflete nesta guerra civil que vivemos, caracterizada pelo ‘nós contra eles’, pela agressividade com quem não pensa como eu e o desrespeito ao que é diferente”, critica.

De acordo com o bispo, é preciso vontade política de educar para a fraternidade, o diálogo e a convivência pacífica. “Educar não é um ato isolado. É um encontro no qual todos são educadores e educandos. Educar é tarefa da família, da escola, da Igreja, de toda a sociedade”, avisa.

Desenvolver o sentimento de pertença e cidadania

Contudo, Dom Pedro cita a ausência de um projeto de educação para o Brasil como um dos principais entraves para o avanço do ensino no país.

“Repito que nós, infelizmente, vivemos no Brasil uma guerra civil disfarçada, fruto de uma sociedade sem projeto eficiente para a educação. Ninguém lembra de quantos ministros da educação já tivemos em pouco tempo. Como se consegue levar avante um projeto de educação para todos desta maneira?”, questiona.

Neste sentido, a Campanha da Fraternidade tem como grande objetivo despertar a solidariedade dos fiéis em relação a um problema concreto da sociedade brasileira, buscando caminhos de solução a partir do Evangelho. “Assim se une fé e vida. A realidade da educação nos interpela e exige profunda conversão de todos, verdadeira mudança de mentalidade, busca de desenvolver o sentimento de pertença e cidadania”, indica.

Oração pela paz na Ucrânia

O bispo da Diocese de Santo André também pediu que todos rezem pela paz na Ucrânia “Queremos rezar para que esse conflito insano termine o mais rápido possível.”

A celebração presencial, que contou com as participações do vigário geral e pároco da Catedral, Pe. Joel Nery, do assessor diocesano da Campanha da Fraternidade, Pe. Frei Geraldo dos Santos, e do secretário episcopal, Pe. Camilo Gonçalves de Lima, bem como dos fiéis e membros da Comissão Diocesana da CF, seguiu os protocolos sanitários de prevenção à Covid-19, como o uso de máscara, álcool em gel e espaço bem ventilado com portas e janelas abertas durante a celebração.

Apresentação dos propedeutas

Ao final da celebração, os vocacionados da Diocese de Santo André aprovados para a entrada no Seminário Propedêutico neste ano de 2022 foram apresentados ao povo de Deus. São eles: Bruno Perrotte (Santuário Nossa Senhora Aparecida – Região São Bernardo – Rudge Ramos), Thiago Nunes (Paróquia Santo Antônio – Região São Bernardo – Anchieta), Haroldo Monteiro (Paróquia São João Batista – Região São Bernardo – Rudge Ramos), Nathan José (Paróquia Nossa Senhora da Paz – Região Santo André – Leste), Heitor Alves (Paróquia São Felipe Apóstolo – Região Mauá), Gerson Gabriel (Paróquia Nossa Senhora do Paraíso – Região Santo André – Centro) e Leandro Escopeli (Paróquia Nossa Senhora do Rosário – Região Santo André – Leste).

Rezemos por eles neste início de caminhada rumo ao sacerdócio!

Fotos: Fernanda Minichello/ Pascom Diocesana