Artigos

Cristo é nossa Páscoa

Tudo no mundo tem se tornado objeto mercantil. Isso não é de hoje. Até mesmo Cristo foi vendido por trinta moedas de prata. O povo trabalhador sofre a mesma violenta utilização. Sua força de trabalho é comprada por critérios de mercado. Obrigado a vendê-la, caso consiga emprego, por um preço irrisório, termina crucificado muito antes do final do mês, sobretudo se não resiste à tentação da propaganda consumista e do crédito supostamente brando.

A consciência desse pecado é de poucos. Muitos preferem “lavar as mãos”, como Pilatos, ou se aliarem aos violentos como fizeram com Barrabás, optando por crucificar o Filho de Deus que veio ao mundo para a paz. Conforme descrito no evangelho, o povo gritou “crucifica-o!”, por manipulação das elites (cf. Mt 27,20). As elites de hoje fazem igual manipulação, crucificando quem defende direitos da classe trabalhadora e dos demais setores socialmente excluídos.

A violência cometida contra o Filho de Deus é a mesma violência cometida contra os filhos de Deus que trabalham para o bem social. A violência, por exemplo, ideológica, contra as pessoas de bem, que circula nas redes sociais, preocupa a Igreja. Por isso, no Dia Mundial das Comunicações Sociais de 2016, o Papa Francisco já dizia que “as redes sociais podem facilitar as relações e promover o bem da sociedade, mas também aumentar a polarização e divisão entre indivíduos e grupos”.

Essas e outras violências nos fazem pensar sobre o sentido da Páscoa, hoje. A vitória de Cristo sobre o pecado e a morte, celebrada na Páscoa, é a vitória que Ele nos concede, tornando-nos fermento de bondade e de paz onde a maldade e a violência se impõem. Ele testemunhou a misericórdia sobretudo no seu “sacrifício” e espalhou o perdão até mesmo no seu martírio. Do nada ao qual foi reduzido emergiu para a vida, concedendo-nos a possibilidade de um igual destino.

Por isso, Cristo é nossa Páscoa. Nela, festejamos a vitória do autor da vida, alegrando-nos porque, por meio dEle, toda a criação se refaz. Com Ele renascemos para o totalmente novo. Em Cristo Ressuscitado, nosso antigo modo de viver deixa de existir: a indiferença cede espaço à amizade; o desamor é absorvido pela ternura; o egoísmo é substituído pela solidariedade; a corrupção dá lugar à honestidade; a injustiça é suplantada pela equidade; o ódio se transforma em paz.

Em Cristo, a violência é superada, pois Ele é nossa paz (cf. Ef 2,14). A Campanha da Fraternidade deste ano, que propõe a “superação da violência” sob o lema “Vós sois todos irmãos! (Mt 23,8), nos apontou uma importante linha de ação para que a paz, entendida como plenitude de condições de vida, possa efetivar-se em nossa convivência social: uma “Rede de Ações”, sempre crescente, entre comunidades e entidades que trabalham pelo bem social.

Que esse desafio seja assumido por todas as comunidades, unificando esforços com todas as entidades que entendem a necessidade urgente de construirmos juntos um projeto comum de vida em sociedade, com ampla participação cidadã. Afinal, a paz tão almejada por todos os cristãos e pessoas de boa vontade se tornará realidade se agirmos em comunhão. Cristo está vivo entre nós, desfazendo os muros que nos separam. Vivamos e atuemos, então, em fraternidade!

Jales, 28 de março de 2018.

Por Dom Reginaldo Andrietta, Bispo Diocesano de Jales

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.