Artigos

Construir um Projeto Novo de Sociedade

Nos tempos atuais, a Igreja Católica tem tratado temáticas especiais durante tempos específicos, a exemplo do Ano da Misericórdia, já realizado em âmbito internacional, e o Ano Mariano, ora em curso, no Brasil. Neste Ano Mariano, que se estenderá até o próximo dia 12 de outubro, celebramos os 300 anos do encontro da humilde imagem da Imaculada Conceição, nas águas do Rio Paraíba do Sul, que passou a ser amplamente venerada como Nossa Senhora Aparecida.

Essa imagem da mãe de Jesus não é adorada pelos católicos. Ela é, simplesmente, venerada em recordação a Maria de Nazaré, que disse seu “sim” a Deus, em resposta à escolha para ser mãe do Salvador, mantendo-se fiel à missão que lhe foi confiada. Em Jesus, Deus evidenciou seu amor incondicional à humanidade e permeou de amor nossa convivência social. Por meio dele deu-se início uma nova humanidade, habitada pelo amor divino.

Ele necessitou compreender a divindade de sua identidade e missão. Maria cumpriu um papel educativo fundamental na vida de Jesus para tal discernimento. O amor de Jesus a Deus Pai e aos demais advêm da experiência de amor vivida no “colo” e no lar de Maria, também entre os pobres a quem ela e ele se colocaram a serviço. Após tantos acontecimentos reveladores da ação de Deus em Maria, do alto da cruz Jesus a confiou aos seus discípulos e os confiou a ela.

O evangelista João dá testemunho a esse respeito: “Jesus viu a mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava. Então disse à mãe: ‘Mulher, eis aí o seu filho’. Depois disse ao discípulo: ‘Eis aí a sua mãe’. Dessa hora em diante, o discípulo a recebeu em sua casa” (Jo 19,26-27). João, esse discípulo que Jesus amava, representa todos os que creem em Jesus. A casa citada por ele como lugar de acolhida de Maria é a Igreja. Desde então, Maria se tornou mãe da Igreja.

Embora Maria seja humana como todos, é exemplo de fé e testemunha das graças concedidas por Deus a quem crê. Cremos em Deus Pai, Filho e Espírito Santo, revelado como tal conforme as Sagradas Escrituras. A esse Deus, exclusivamente, adoramos. Os que nos acusam, portanto, de idolatria por venerar a Maria, se equivocam. Nossa veneração a ela nos ajuda a viver a fé no Deus verdadeiro. Nossa espiritualidade cristã católica merece, portanto, respeito e valorização.

Jesus Cristo é a expressão visível de Deus verdadeiro. A salvação universal oferecida por ele é, inclusive, a razão da Igreja ser chamada Católica. O termo católico vem do grego; significa universal. Ele é aplicado à Igreja, pois a salvação em Jesus Cristo, da qual a Igreja é sinal e instrumento, é universal, ou seja, para todos. O que é, neste caso, salvação? De modo breve, é a comunhão dos seres humanos em Deus e tudo o que isso implica historicamente.

A Igreja, no Ano da Misericórdia, compassiva com os que sofrem, especialmente por causa das injustiças e conflitos sociais, lançou um amplo convite a iniciativas de solidariedade e reconciliação. Neste Ano Mariano, celebrado no Brasil, a Igreja relança o convite a todas as pessoas de boa vontade, para construirmos juntos um projeto novo de sociedade, na qual o respeito a todos e os direitos de todos serão assegurados. Que nossa resposta seja inspirada no “sim” de Maria.

Jales, 28 de junho de 2017.

Dom Reginaldo Andrietta, Bispo Diocesano de Jales

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.