Artigos

Confia no Senhor e não tenhas medo

O medo da morte é o mais forte dos medos. Instintivamente todos colocamos a vida como valor que está em primeiro lugar. Defendemos espontaneamente a nossa própria vida como também a vida daquelas pessoas que amamos ou que são muito significativas para nós. A quarentena é alimentada pelo medo da morte. A crença na vida eterna não diminui, pelo contrário, aumenta nossa estima pela vida terrena. Toda a vida, tanto a terrena como aquela do além túmulo, foi criada por Deus e a Ele pertence. Em Deus temos nossa origem, vivemos e, após a morte corporal, viveremos eternamente, isto vale também para o mais empedernido dos ateus. Com fé ou sem fé, todo homem nasce, vive, morre e entra na vida eterna. Alguns, infelizmente, para a morte eterna.

Nossa missão neste mundo é realizar o plano de amor que Deus tem para cada um de nós e para o conjunto de toda a humanidade, ou seja, sermos bons e fazermos o bem sempre e para todos indistintamente. Durante a quarentena, cada um deve se perguntar como está o seu grau de bondade, começando pela bondade em seu coração, em seus pensamentos, em seus sentimentos, em suas palavras e, finalmente, em seus gestos e atitudes concretas com as pessoas, com os animais e com as coisas que estão ao seu lado. A quarentena é um grande teste para um dos aspectos do amor que é a paciência. Alguns estão batendo no cachorro e chutando as portas. Entretanto, o amor é paciente, o amor é bondoso, nos diz a Palavra de Deus (1Cor13, 4).

A oração tranquila e profunda é um bom remédio para curar os males e as tentações da quarentena: impaciência, depressão, ansiedade exagerada, pessimismo neurótico etc. Não pode ser uma oração nervosa, mas deve ser uma oração serena, silenciosa, humilde. Oração com poucas palavras e muito silêncio. Oração,não com sentimentos fortes, mas sentimentos simples e suaves. Não pedir muito, pois pedir demais pode sugerir que não estamos aceitando o momento de provação que Deus está nos permitindo, o que aumentaria a nossa ansiedade e angústia. Nem agradecer demais, pois creio que soaria meio falso agradecer muito durante uma quarentena onde estamos inseguros diante do presente e do futuro.

Creio que a melhor e mais autêntica oração nesse momento estranho e único que estamos vivendo, onde estamos experimentando profundamente a nossa impotência, seja colocarmo-nos humildemente diante do Senhor, sem muitas reflexões ou emoções, e dizermos calmamente, como a criança nos braços do Pai: Senhor, aqui estou, cuida de mim, cuida da minha família, cuida do nosso mundo. Senhor, aqui estou com meu medo, minha angústia, ansiedade, desânimo, emocionalmente alterado, cheio de altos e baixos e, confesso Senhor, tenho mais momentos baixos do que altos. Estou me sentindo impotente, Senhor, diante do momento presente e do futuro. Não sei o que vai acontecer, não sei se as coisas vão voltar ao normal como era antes, não sei se vão melhorar ou piorar. Mas, Senhor, eu quero crer e quero confiar em Ti. Quero colocar meu sentimento de impotência em tuas mãos e encostar meu coração em teu coração sagrado e n’Ele encontrar conforto e esperança. Enfim, Senhor, quero simplesmente ficar em suave silêncio diante da Tua presença forte e amorosa. Isto me basta, por enquanto. Amém.

“Vinde a mim todos vós que estais cansados sob o peso do vosso fardo e eu vos darei descanso. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para vossas almas” (Mt 11,28).

Por Dom Rubens Sevilha, OCDm bispo de Bauru

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

NOVO ESTATUTO DA CNBB

Facebook

Assine nossa newsletter

Conheça nossos parceiros.